Bairro da Maré

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa

Autora: Cláudia Rose Ribeiro da Silva.

O BAIRRO DA MARÉ, criado em 1994, compreende um conjunto de 17 comunidades onde moram cerca de 140 mil pessoas. A região margeia a Baía de Guanabara e está localizada entre importantes vias rodoviárias que cortam a cidade do Rio de Janeiro: Avenida Brasil, Linha Vermelha, Linha Amarela e Transcarioca. Essa área se estende paralelamente à pista de subida da Avenida Brasil (sentido Zona Oeste da cidade), desde a FIOCRUZ (antigo prédio do Ministério da Saúde, em Manguinhos) - passando pela entrada para o Aeroporto Internacional do Galeão - até o bairro da Penha. A região da Maré, assim chamada por causa dos mangues e praias que dominavam sua paisagem, foi sendo ocupada desde o período colonial, quando exerceu preponderante papel econômico, seja por nela existirem dois portos por onde era escoada a produção das fazendas locais, seja por ter alimentado com seus mangues, os engenhos de cana de açúcar e as olarias que ali se instalaram. Em 1946, a Avenida Brasil foi inaugurada e passou a ser parte inseparável da fisionomia da região, facilitando a migração (principalmente nordestina), o acesso dos moradores aos locais de trabalho, e a chegada do material necessário aos aterros e à construção de suas casas. A ocupação da região atingiu seu auge na década de 1970, tendo se espraiado sobre as águas da Baía de Guanabara, como um impressionante aglomerado de habitações de madeira construídas sobre palafitas. Na década de 1980, por meio do chamado Projeto Rio, houve a erradicação desse tipo de moradia. Foram realizados grandes aterros e construídos conjuntos habitacionais na região para o reassentamento das famílias removidas das áreas palafitadas. Na década de 1990, durante a primeira gestão do prefeito César Maia, foi criado o bairro da Maré por meio da Lei Municipal nº 2.119 de 19 de janeiro de 1994, publicada em Diário Oficial de 24 de janeiro do mesmo ano. Tendo sido alvo de inúmeros projetos governamentais e de acordo com diversos interesses políticos, a Maré, até então considerada como favela, passou a ser tratada pelo poder público como área totalmente urbanizada, condição esta que viabilizou a criação do bairro. No entanto, os moradores não foram consultados sobre tal decisão ou sequer tiveram conhecimento da mudança realizada.