Mudanças entre as edições de "Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré"

Por equipe do Dicionário de Favelas Marielle Franco
Linha 6: Linha 6:
 
 
 
 
  
[[Category:Temática - Instituições]][[Category:Conjunto de Favelas da Maré]][[Category:Maré]]
+
 
 +
 
 +
[[Category:Temática - Instituições]][[Category:Conjunto de Favelas da Maré]][[Category:Maré]][[Category:Temática - Cultura]]

Edição das 15h18min de 12 de julho de 2021

Autores: Antônio Carlos Pinto Vieira, Cláudia Rose Ribeiro da Silva, Lourenço Cézar da Silva e Luiz Antonio de Oliveira.

A criação de diversas ONGs na Maré não representou um fato isolado no processo de surgimento e proliferação, no Brasil, de organizações do mesmo tipo, genericamente chamadas de organizações não governamentais. O que diferencia o CEASM de grande parte de outras ONGs locais é o fato de ter sido criado por moradores da Maré que se reuniram para desenvolver um trabalho sistemático de intervenção na realidade local, a partir de projetos relacionados à educação e à cultura. O CEASM foi criado em agosto de 1987, com a missão de promover ações qualitativas, integradas e de longo prazo no espaço local, visando melhorar a qualidade de vida dos moradores da Maré e contribuir para a superação das representações estereotipadas da favela que orientam a opinião pública em geral e, em particular, a opinião pública carioca. O primeiro projeto desenvolvido pela instituição foi o Curso Pré-Vestibular Comunitário, com o objetivo de ampliar as possibilidades de moradores da favela ingressarem em universidades, principalmente públicas. Outros dois projetos realizados desde o início do CEASM foram o jornal O Cidadão - que possuía tiragem de 20 mil exemplares – e a Rede Memória da Maré, projeto que deu origem ao Museu da Maré, em 2006.