Complexo do Alemão

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa

 

Autor: Caíque Azael

 

 

Visão panorâmica do Complexo do Alemão

 

Introdução

O Complexo do Alemão, popularmente chamado de Morro do Alemão ou simplesmente Alemão, é um bairro que abriga um dos maiores conjuntos de favelas da Zona da Leopoldina, na Zona Norte do município do Rio de Janeiro. Segundo o Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, seu índice de desenvolvimento humano era de 0,711, o 126º e último colocado da cidade do Rio de Janeiro. O Censo de 2010 ainda revela que a população do bairro é de 58.962 habitantes, divididos em 21048 domicílios, numa área de 21982km². 

 

Sua principal comunidade é o Morro do Alemão, embora haja dezenas de comunidades pertencentes ao morro, espalhadas por extensões territoriais enormes. É oficialmente um bairro, mas devido a sua enorme extensão, os limites da área do bairro e das favelas pertencentes aos morro se misturam com outros bairros da Zona Norte da capital, como Ramos, Higienópolis, Olaria, Penha, Inhaúma e Bonsucesso.

Morro do Alemão

O bairro foi erguido sobre a Serra da Misericórdia. Sua formação é vertical, uma formação geológica de morros e nascentes. Restam poucas áreas verdes na região, apesar dos esforços de preservação empreendidos por organizações atualmente.

 

Na década de 1920, o imigrante polonês Leonard Kaczmarkiewicz adquiriu terras na Serra da Misericórdia, que era, então, uma região rural da Zona da Leopoldina. O proprietário era referido pela população local como "o alemão" e, logo, a área ficou conhecida como "Morro do Alemão".

 

Ainda nos anos 1920, se instalou, na região, o Curtume Carioca e, na sequência, muitas famílias de operários se instalaram nas imediações. A abertura da Avenida Brasil, em 1946, acabou por transformar a região no principal polo industrial da cidade.

A ocupação, no entanto, só começou em 9 de dezembro de 1951, quando Leonard dividiu o terreno para vendê-lo em lotes. O comércio e a indústria cresceram e diversificaram-se, e teve seu boom no primeiro governo de Leonel Brizola.

 

Ainda há áreas de mata e pontos de nascentes de rios que são usados como fonte de água. Boa parte da serra foi destruída devido às pedreiras, muito comuns a partir da metade do século XX. Hoje em dia, tal empreendimento ainda é autorizado, mesmo a Serra da Misericórdia sendo considerada Área de Proteção Ambiental. Na interseção entre o Alemão e a Penha, a francesa Lafarge opera uma pedreira com autorização do INEA, por não atingir os lençóis freáticos da região.

O bairro foi oficializado em 9 de dezembro de 1993 "em homenagem ao primeiro dia das divisões dos terrenos feito na mesma data, no ano de 1951".

Na Alvorada, está localizada o GRES Paraíso da Alvorada, que representa o Complexo do Alemão no Desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro.

Imagem aérea da região da Penha, onde hoje parte do Complexo do Alemão é localizado.

História do Bairro 

O Complexo do Alemão é um dos bairros mais jovens do Rio. Localizado na Zona Norte, na Serra da Misericórdia, subúrbio da Leopoldina, foi criado, em 1993, pela lei nº 2055, que alterou os limites de Olaria, Ramos, Bonsucesso, Inhaúma e Higienópolis. Com uma população de cerca de 180 mil habitantes, o bairro, hoje, é formado pelas comunidades de Nova Brasília, Reservatório, Alvorada, Morro das Palmeiras, Casinhas, Fazendinha, Canitá, Pedra do Sapo, Mineiros, Morro do Adeus, Morro da Baiana, Matinha, Grota (também chamada de Joaquim Queiroz) e Morro do Alemão. Esta última localidade emprestou seu nome ao Complexo, muito embora o personagem que inspirou a alcunha fosse, na verdade, polonês.

Antes da colonização portuguesa, as áreas próximas à região eram habitadas pelos índios Tamoios, que viviam às margens do Rio Timbó – nome dado em função do cipó “timbó”, utilizado para envenenar a água e facilitar a pesca. Muito após o extermínio dos Tamoios, os jesuítas se estabeleceram na região – já no século XVIII -, dando origem à Fazenda de Inhaúma e seus engenhos. Expulsos os jesuítas, em 1760, suas terras foram desmembradas em várias fazendas que deram origem aos atuais bairros de Ramos, Bonsucesso, entre outros.

A ocupação da Serra da Misericórdia ocorreu no início do século XIX, com Francisco José Ferreira Rego. Por ocasião de sua morte, os herdeiros venderam as terras para Joaquim Leandro da Motta. Esse, por sua vez, dividiu sua propriedade em grandes lotes, vendendo um deles para Leonard Kacsmarkiewiez, polonês refugiado da Primeira Guerra Mundial. 

O polonês, de nome difícil, logo foi apelidado pelos cariocas de “alemão” e a área que era de sua propriedade passou a ser conhecida como o Morro do Alemão. Ainda nos anos 1920, se instalou, na região, o Curtume Carioca e, na sequência, muitas famílias de operários se instalaram nas imediações. A abertura da Avenida Brasil, em 1946, acabou por transformar a região no principal polo industrial da cidade.

A partir da década de 1940, iniciou-se a ocupação das áreas das atuais comunidades de Nova Brasília e Itararé. Na década de 1950, a ocupação se ampliou e surgiram as comunidades dos Morros do Alemão, da Esperança, dos Mineiros e do Relicário. Em 1961, foi ocupado o Morro da Baiana e, a partir dos anos de 1970, surgiram a Fazendinha, o Reservatório de Ramos e o Parque Alvorada - Cruzeiro (1982). No final da década de 1980, o conjunto de favelas que ocupam o leste da Serra da Misericórdia e suas adjacências viria a formar a XXIX Região Administrativa Complexo do Alemão. O bairro do Complexo do Alemão compreende toda a região administrativa, ocupando 437.880 m². O ponto culminante dos morros locais está a 138m de altura em área com cobertura florestal. Foi delimitado pela Lei Nº 2055, de 09 de dezembro de 1993, alterando os limites dos Bairros de Olaria, Ramos, Bonsucesso, Inhaúma e Higienópolis.

Apesar da rede de abastecimento de água chegar à maioria das casas, ainda há moradores que se abastecem de poços artesianos e de algumas nascentes de água locais. Embora o Censo 2000 registre que 84% dos domicílios de favela do bairro possuem rede de esgotamento sanitário, podem ser constatadas áreas específicas onde há valas a céu aberto e despejo de esgoto in natura nos corpos hídricos.

O comércio e a indústria cresceram e diversificaram-se, mas a ocupação desordenada dos morros adjacentes, que teve seu boom no primeiro Governo de Leonel Brizola, entre 1983 e 1987 acabou por dar lugar às favelas do Complexo do Alemão. Durante 30 anos as terras eram apenas para uso pessoal e abrigava o Curtume Carioca, mas a ocupação começou em 9 de dezembro de 1951, quando Leonard dividiu o terreno para vendê-lo em lotes. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), o povoamento urbano da Serra da Misericórdia foi iniciado a partir de várias formas de ocupação: de loteamentos informais ao aluguel de terrenos (também chamado de “aluguel de chão”), da ocupação consentida à invasão coletiva.

Os hectares comprados pelo IAPC também foram objeto de ocupações informais. Seus primeiros moradores eram pessoas que tomavam conta das terras do Instituto e que tiveram permissão para construir suas casas nas áreas mais altas. Esses moradores acabaram consentindo que outras famílias se instalassem no local, desde que as moradias fossem erguidas na parte alta do morro, em meio ao capim alto, para que não fossem vistos.

Com o passar do tempo e com a ausência de uma política habitacional que respondesse às necessidades de moradia da população, o próprio IAPC passou a permitir, por meio de cartas informais, que seus funcionários e comerciários construíssem casas nas terras da antiga Fazenda Camarinha. Mas o grande adensamento populacional do Complexo aconteceu nas décadas de 1960 e 1970, quando várias indústrias – como a Nova América, a Marialva Têxtil, a Cica, o Café Capital, a Castrol e muitas outras se estabeleceram nos arredores. Nesse período, passaram a ocorrer as invasões organizadas e coletivas. Segundo o relato de um morador da comunidade de Nova Brasília, na época da invasão, parecia até uma guerra. De noite ninguém dormia porque só se escutava o barulho do martelo batendo. O pessoal construía seus barracos de noite, pois quando a polícia chegava no outro dia ficava mais difícil de derrubar, porque tinha família dentro, todos se ajudavam, porque ninguém tinha dinheiro.

Com as invasões, surgiram também as primeiras associações de moradores do Complexo. Elas tanto passaram a organizar as ocupações, a fim de deixar áreas livres para os arruamentos, por exemplo, como gerenciar questões relacionadas à infraestrutura. Algumas também começaram a promover a venda de “cavas de terra”, ou seja, de terrenos cavados nas encostas. Apareceu ainda a figura do “faveleiro”, nome dado àquele que se apossava de um lote de terra com o objetivo único de revendê-lo, posteriormente.

Ainda há áreas de mata e pontos de nascentes de rios que são usados como fonte de água. Todavia, logo após a nascente, os rios já se tornam valões de esgoto, devido à falta de rede canalizada. Boa parte da serra foi destruída devido às pedreiras, muito comuns a partir da metade do século XX. Hoje em dia, tal empreendimento ainda é autorizado, mesmo a Serra da Misericórdia sendo considerada Área de Proteção Ambiental. Na interseção entre o Alemão e a Penha, a francesa Lafarge opera uma pedreira com autorização do INEA, por não atingir os lençóis freáticos da região.

A região sempre foi conhecida como uma das mais violentas da cidade. No ciclo de governos Petistas, foi alvo de um dos projetos do Programa de Aceleração do Crescimento, em parceria entre os governos federal e o Governo do Estado do Rio de Janeiro, em que foram previstas melhorias viárias, moradia e de infraestrutura em geral, de modo a livrar o bairro e seus arredores do estigma da favelização e da violência. Algumas saíram do papel, como o Teleférico, e outras foram engavetadas.

 

Delimitação do bairro

O bairro foi oficializado em 9 de dezembro de 1993 "em homenagem ao primeiro dia das divisões dos terrenos feito na mesma data, no ano de 1951". A sua delimitação oficial, segundo consta nos arquivos da prefeitura, é a seguinte:

 

Do entroncamento da Estrada de Itararé com a Rua Doutor Noguchi; seguindo por esta (incluída) da Estrada de Itararé até a Rua Roberto Silva; por esta (incluído apenas o lado par) da Rua Doutor Noguchi até a Travessa Salvador Maciel e a partir deste ponto (excluída) a Rua Teixeira Franco; por esta (excluída) até a Rua Professor Lacê; por esta (excluída) até a Rua 23 de Agosto; por esta (excluída, o Largo do Itararé) até a Estrada de Itararé; por esta (incluindo apenas o lado ímpar) da Rua 23 de Agosto até a Rua Sebastião de Carvalho; por esta (excluída) até a Travessa Laurinda; por esta (excluída) até encontrar o prolongamento do alinhamento da Rua Cabedelo; por este e pela Rua Cabedelo (incluída) até a Rua Armando Sodré; por esta (incluída) da Rua Cabedelo até encontrar o prolongamento do alinhamento da Rua Iriguati; por este e pela Rua Iriguati (excluída) até a Rua Antonio Rêgo; por esta (excluída) até a Rua Itajoá e a partir deste ponto (incluído apenas o lado Impar) até a Rua Itacorá; por esta (incluído apenas o lado impar) até a Rua "G" do PA 9.284 (excluída); dai, em direção Oeste, seguindo pela linha de cota 50 metros (excluindo a Rua Mirá) até encontrar o prolongamento do alinhamento da Rua Comandante Hoover; por este, subindo a Serra da Misericórdia em direção Sul, até a sua cumeada; por esta, em direção Oeste, passando pelos pontos de cota 171 metros e 134 metros até o ponto de cota 138 metros; daí, descendo o espigão em direção Sul (excluindo a Favela Relicário), até encontrar a Rua Canitar; deste ponto, pela Rua Canitar (excluída, excluindo a Rua Carlos Perry) até umponto situado a 250 metros da Estrada Velha da Pavuna; daí, por uma linha reta em direção Leste (incluindo a localidade do Morro das Palmeiras), passando pelos finais das Ruas Tegucigalpa e Ibirapitanga (todas excluídas) até o final da Rua Tangapeme; por esta (excluída) até a Rua lvurarema; por esta (excluída) até o seu final; deste ponto (incluindo a comunidade Alvorada/Vila Cruzeiro) por uma tinha reta em direção Sul até encontrar o entroncamento da Vila Ascânio com a Vila Glauco; por esta (excluída) até a Vila Jesuânia; por esta (excluída, excluindo toda as ruas de vila com servidão pela Avenida ltaóca nº 2.358) até a Avenida Itaóca; por esta (excluída) até a servidão ao lado do nº 2.260 e a partir deste ponto incluindo apenas o lado par, (incluindo a servidão ao lado do nº 2.260) até a Rua Antonio Austregésilo; seguindo por esta (incluída) até 260 metros da Avenida Itaóca; daí, contornando o loteamento Jardim Guadalajara (excluído) até encontrar a Avenida Itaóca; por esta (incluído apenas o lado par) do limite Leste do Loteamento Jardim Guadalajara até a Rua Horácio Picoreli; por esta (incluída) até o seu final; daí, pelo Morro de Bonsucesso emdireção Leste até encontrar o final da Rua Capuçara (incluída); daí, pela Rua Piancó (excluída), até a Rua Tangará; por esta (incluída) até a Rua Piumbi; por esta, até encontrar o final da Rua Capuçara (incluída); daí, pela Rua Piancó (excluída), até a Rua Tangará; por esta (excluída) até a Rua Piumbi; por esta (excluída) da Rua Tangará até a Rua Sabaúna; por esta (excluída) da Rua Piumbi até a Rua Joana Fontoura; por esta (excluída) até encontrar a Rua Aquiri; por esta (incluída) até a Estrada de Itararé; por esta (incluída) da Rua Aquiri até o ponto de partida. ”

Lei Nº 2055 de 9 de dezembro de 1993

 

Mapa do Complexo do Almeão

Favelas do Complexo do Alemão

As favelas que compõe o Complexo do Alemão são:

  1. Morro da Baiana
  2. Morro do Alemão
  3. Favela da Alvorada
  4. Favela Nova Brasília
  5. Favela Pedra do Sapo
  6. Favela das Palmeiras
  7. Favela Fazendinha
  8. Favela da Grota
  9. Favela da Matinha
  10. Morro dos Mineiros
  11. Favela do Reservatório de Ramos
  12. Favela das Casinhas
  13. Morro do Adeus
  14. Favela Areal
  15. Morro do Coqueiro

Na imagem ao lado, podemos ver os principais pontos, articulados com a linha do Teleférico. 

 

 

 

 

Teleférico

Semelhante ao teleférico da cidade de Medellín, na Colômbia, o Teleférico do Complexo do Alemão foi criado com capacidade para transportar dez passageiros em cada cabine, com um total de 152 cabines. Ligando a estação de Bonsucesso da Supervia até o ponto mais alto do morro, foi inaugurado no dia 7 de julho de 2011.[21] Com a consolidação da pacificação da área, tem todo o potencial para se tornar uma nova atração turística do Rio. Possui seis estações:

 

Visão da Estação Alemão do Teleférico

1. Bonsucesso: Estação intermodal situada no centro do bairro e integrada ao meio de transporte ferroviário
2. Morro do Adeus: Localizada em uma das comunidades mais importantes do complexo, antes acessível apenas por escadarias.
3. Morro da Baiana: Estação motriz de todo o sistema, localizada no bairro de Ramos.
4. Morro do Alemão: Situada na comunidade que batiza o complexo.
5. Itararé: Mais uma das estações intermediárias no cerne da comunidade, promove a integração com o conjunto habitacional da Poesi, na Estrada do Itararé, e com o Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes.
6. Palmeiras: Estação de retorno do teleférico, localizada no bairro de Inhaúma. Oferece uma visão fascinante do Complexo do Alemão.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cultura

Na Alvorada, está localizada o GRES Paraíso da Alvorada, que representa o Complexo do Alemão no Desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro. Suas cores são o preto, o amarelo e o vermelho, cores da bandeira da Alemanha. A Paraíso da Alvorada é oriunda de um antigo bloco carnavalesco de mesmo nome, tendo sido criada oficialmente no dia 22 de agosto de 2002. Além dessa escola de samba, no bairro costumam ser realizados vários bailes funk. O tema é controverso e tem produzido muitos diálogos na sociedade, tendo os bailes sido proibidos pelo Governador Wilson Witzel, como parte de sua agenda de mais militarização nos territórios favelados, sob a justificativa de guerra às drogas. 

Raízes em movimento

Grupo criado em 2001 e formalizado em 2004. Trabalha na construção de uma identidade da favela, valorização das virtudes locais, a partir do trabalho e das percepções do próprio Complexo do Alemão. Desenvolvem todas as atividades dentro de dois grandes eixos. Um ligado à Comunicação e à Cultura. Fazendo debates de comunicação crítica como forma de criar novas maneiras de comunicação dentro das favelas. E desenvolvem fortemente o trabalho cultural que, ao mesmo tempo, é fim mas também é meio, enquanto instrumento para viabilizar todos os outros trabalhos. O outro eixo é do programa é o de produção de conhecimento em ligação direta com as universidades, com produção de conhecimento acadêmico, técnico, popular e de vivências. A ideia é promover o desenvolvimento local a partir de diálogos dos diversos saberes produzidos pelas favelas, sobretudo no Complexo do Alemão. O grupo se articula fortemente com Universidades, ONG e outros coletivos e movimentos políticos e muito legitimado no território. 

Bailes Funk do Alemão

Autores: Renato e Thiago.

A territorialidade do Complexo do Alemão pode ser cartografada de diferentes maneiras: a partir das versões oficiais, dos estudos acadêmicos e, evidentemente, a partir da memória de suas moradoras e seus moradores. Esta, por sua vez, é uma fonte inesgotável de possibilidades. Dentre as quais se destacam os bailes funk e a formação das galeras.

Para além dos limites impostos pelo traçado oficial do bairro, elas nos falam também sobre o quanto eles podem ser móveis. A perspectiva de um complexo de favelas dá uma ideia de unidade territorial que não esgota seus múltiplos pertencimentos, de modo que por mais que ele seja composto por tal ou qual conjunto de favelas ou comunidades, não necessariamente há uma espécie de identidade entre elas. Assim, veremos como localidades dos bairros se confrontavam umas com as outras nos bailes de corredor, assim faziam em aliança com localidade de outras áreas da cidade. O que levaria a uma constante reinvenção de suas fronteiras.

Exemplo dessas cartografias rebeldes podemos dar como exemplo a aliança entre a comunidade da Nova Brasília com a Adeus (ambas do Complexo do Alemão) formando o “lado a” e tinha como “lado b”[1] , a Grota (do Complexo do Alemão), que fechava com Vila Cruzeiro (localizada na Penha) e Olaria, outro bairro vizinho do Alemão. Quer dizer, temos sob está ótica, áreas que conformam o Complexo do Alemão, vizinhas umas as outras, mas que estão do mesmo lado, ao mesmo tempo em que, eram feitas alianças com outras localidades.

A consolidação da divisão do comércio ilegal de entorpecentes na cidade do Rio de janeiro vai reorganizar isso com o tempo. Inicialmente, essas divisões acima citadas, seguem refletindo, nos bailes tais alianças, contudo, essas divisões começaram a ser repensadas nas idas às praias, de modo que essa organização como um todo seria reestruturada em novas alianças.

Neste processo, por exemplo, o Adeus vai se distanciando do que é imaginado como Complexo do Alemão para boa parte de suas moradoras e moradores, por conta do assassinato de Orlando jogador, nessa localidade, o que levaria ao racha do Comando Vermelho. Isso vai ter efeitos concretos na divisão das galeras no Complexo do Alemão.

 

Política e associativismo comunitário

Coletivos como o Ocupa_Alemão, que são organizados a partir de histórias de sofrimento e violência que as famílias da região sofrem tanto por parte do crime organizado quanto por parte do Estado. As Associações de Moradores surgem em contexto parecido, para lutar pelo direito de viver com dignidade naquele espaço. Atualmente, o bairro do Complexo do Alemão conta com doze associações de moradores que representam 13 favelas: Alvorada, Baiana, Casinhas, Esperança, Grota, Itararé, Matinha, Mineiros, Morro do Adeus, Morro do Alemão, Nova Brasília, Pedra do Sapo e Reservatório de Ramos.

 

Associação de Moradores do Alemão

Autor: Nilton Gomes ‘Diquinho’ (Complexo do Alemão).

De uma maneira geral, podemos entender o processo de formação das associações de moradores do Complexo do Alemão como um reflexo da história urbana carioca, em outras palavras, podemos contar um pouco do processo de uma trajetória política da relação do poder público com as favelas da cidade do Rio de Janeiro ao reconstituir o histórico de construção das associações de moradores do Alemão.

Atualmente, o bairro do Complexo do Alemão conta com doze associações de moradores que representam 13 favelas: Alvorada, Baiana, Casinhas, Esperança, Grota, Itararé, Matinha, Mineiros, Morro do Adeus, Morro do Alemão, Nova Brasília, Pedra do Sapo e Reservatório de Ramos. A primeira delas foi a da Nova Brasília, comunidade que tem esse nome por ter se constituído ao mesmo tempo em que a capital brasileira estava sendo construída. Na década de 1950, ainda, foi fundada as Associações de Moradores de Nova Brasília e a do Morro do Alemão, ainda não com estes nomes, no bojo de um processo de luta e resistência favelada que tomava corpo na cidade como um todo, sobretudo com a influência de comunistas na organização de moradores/trabalhadores. No início da década seguinte, foram fundadas a associação de moradores de Joaquim de Queirós (atualmente, conhecida como Grota). Ecoando outro movimento da histórica da política urbana para as favelas no Rio de Janeiro que foi a tentativa do governo da Guanabara em controlar politicamente tais organizações, fomentando a criação de novas associações de modo tutelado. A segunda metade da década de 70 são marcadas pela instauração do governo autoritário, e da repressão violenta às associações de moradores mais combativas e mesmo à Faferj. No início da década de 1980, os ventos da redemocratização também chegaram às favelas cariocas, marcada sobretudo por uma nova eleição da Faferj, em que, uma das chapas, era composta por mim, Nilton Gomes, o Diquinho, candidato a vice-presidente. Esse período também é marcado pela ampliação da abertura de novas associações de moradores pelo Complexo do Alemão.

 

Fontes de pesquisa e consulta

  1. Wikipédia - Complexo do Alemão
  2. Atlas Brasil - Complexo do Alemão
  3. Voz da Comunidade - Postagem na Rede Social Facebook sobre curiosidades do Alemão 
  4. Fundação Boell - Raízes: resistência no Alemão em forma de cultura
  5. Data Rio – Histórias do Rio
  6. https://wikifavelas.com.br/index.php?title=Complexo_do_Alem%C3%A3o