Folia de Reis - Os Penitentes do Santa Marta

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa

Autor: Itamar Silva

Um pouco da história da Folia de Reis - Os Penitentes do Santa Marta

A tradição de Folia de Reis no Morro de Santa Marta é muito antiga, e encontrou aqui as condições para sua sobrevivência: pessoas que vieram de São Fidelis, Itaperuna, Miracema, Sul de Minas  puderam reencontrar suas raízes culturais, agora adaptadas às condições da cidade grande.

Em meados dos anos 60 a Folia de Reis do mestre Zé Cândido,  morador da Ilha do Governador, convidou pessoas  do Santa Marta para integrarem a sua a Folia de Reis: Luiz, Dodô, Zé Diniz, Borrachinha, Clarisse, Manoelina, Machado, Joãozinho, manezinho, entre outros se incorporaram e assumiram aquela missão. Muito rapidamente a maioria dos componentes da Folia de Reis da Ilha do Governador era de foliões do Santa Marta.

Com a morte de Zé Cândido, o Sr. Luiz assumiu a posição de mestre e a Folia passou a sair de sua casa, no Santa Marta. Pode-se dizer que aí começou oficialmente a Folia de Reis dessa Comunidade. Mestre Luiz manteve este posto até quando a saúde lhe permitiu. Foi substituído pelo mestre Joãozinho, que depois de anos  dedicados ao ofício de palhaço, assumiu a tarefa de conduzir a Folia de Reis. Após sua morte, o cargo ficou sob a responsabilidade de Mestre Dodô, que desempenhou com orgulho a função de dar os versos e puxar a cantoria na Folia do Santa Marta. Quando morreu, o lugar de mestre  foi ocupado por Zé Diniz que, desde o início, exercia o cargo de presidente da referida Folia. Até hoje Mestre Diniz acumula o posto de mestre e de presidente dos Penitentes do Santa Marta.

As mulheres sempre tiveram um papel importante na Folia de Reis do Santa Marta. A responsabilidade de carregar o símbolo máximo da Folia, a bandeira dos Reis Magos, sempre esteve a cargo de dedicadas mulheres. Várias delas  já desempenharam esta função: Clarisse, D.Neusa, Marina e, atualmente, D. Eva cumpre a missão de carregar a bandeira da Folia. No entanto, a presença das  pastorinhas, como são chamadas as mulheres neste cortejo, foi além da bandeira,  formando o coro de cantoria, outros nomes se incorporaram: D. Maura, *D. Rosa, Marina, Rita ,  *Maria Bela, *Delfina, *Eunice e duas recentes participações Eliane e Roberta se agregaram, alterando definitivamente o perfil desta Folia de Reis.

Os palhaços são um capítulo á parte: Na origem da Folia do Santa Marta  está o nome de Totonho, lembrado com admiração pelos que lhe sucederam. A linha de sucessão foi preenchida por  Joãzinho, que durante muitos anos foi mestre dos palhaços, dividindo as atenções com seus contemporâneo: Borrachinha, zezinho Capirai , Zé Carlos, Macalé.

Com apenas nove anos de idade, Ronaldo, filho do mestre Diniz, começou a sair como palhaço nessa Folia. Desde muito cedo mostrou que seria um grande palhaço. Nos últimos 30 anos, Ronaldo reinou como palhaço e, de certo, estará na galeria dos melhores palhaços de Folia de Reis do Rio de Janeiro.

Seguindo seus passos, seu filho Júnior, iniciou-se na vida de palhaço  aos sete anos de idade. Nos últimos 15 anos, pai e filho, juntamente com o companheiro Guinho,  se transformaram no cartão de visita dos Penitentes do Santa Marta.

A Folia tem hoje , como suporte básico, um núcleo familiar formado a partir do Mestre Zé Diniz, reforçando a importância dos laços familiares na transmissão das  tradições culturais: Mulher, filhos, netos, irmãos, primo e amigos compõem  o grupo Os Penitentes Foliões do Santa Marta: Zé Diniz, Arlindo, Riquinho, Maura, Eva, Gilson,Ronaldo, Junior, Borrachinha, Cosme (Macieira), Inácio,  Jorge, Russo (sanfoneiro), *Mário, Daniel, Dudu, Haroldo, Fábio.

Dinâmica das apresentações


A folia sai no dia 25 de dezembro a meia noite e encerra sua jornada no dia 20 de janeiro, realizando a procissão de São Sebastião.

Diferente dos hábitos da "Roça", onde os foliões saiam de casa no dia 25 de dezembro e só retornavam no dia 06 de janeiro ( dia de Reis), a Folia urbana, como é o caso desta do Santa Marta, sai em todos os finais de semana e feriados existentes no intervalo entre o dia 25 de dezembro e 20 de janeiro. Esta adaptação tem a ver com a disponibilidade de tempo dos participantes, como também daqueles que lhes vão receber. 

A Folia visita casas no Morro de Santa Marta e também em outras favelas: Rocinha, Morro 117, Tavares Bastos, Trapicheiro, ilha do Governador.

Homenagem a cinco foliões históricos que deixaram saudades pelo falecimento nos últimos três anos:  Jofiene ( Manézinho) – Sanfoneiro, Delfina ( Tia Delfina) – A viola era a sua marca, D. Eunice, D. Maria Bela e    Mário  -  A devoção aos Reis Magos e ao mártir São Sebastião uniu-os a este grupo.

O contexto urbano


As grandes cidades, como o Rio de Janeiro, receberam uma população que veio da área rural seja do norte e nordeste ou de áreas adjacentes a esses núcleos de crescimento urbano. No caso da Cidade do Rio e, em particular o Santa Marta,  recebeu uma população rural do norte fluminense, sul de minas e adjacências, no primeiro movimento migratório ( 1939/1960).

Cada grupo trouxe a sua cultura: seu jeito de viver, de ver a vida e de celebrar. A Folia de Reis é uma das muitas expressões dessa população. No entanto, as condições físicas e materiais são diferentes da roça e, muita coisa fica perdida.  A Folia de Reis do Santa Marta é um núcleo de resistência da arte popular. E, no mínimo há  três décadas, mantém essa tradição no morro de Santa Marta.

Objetivos do grupo


1 -  Tornar o Morro de Santa Marta uma referência no que diz respeito a Folia de Reis na área urbana. Trazendo para esta favela outras Folias de Reis existentes no Estado. Definir o Santa Marta como o lugar de encontro das Folias de Reis. Dessa forma, ampliar a percepção dos moradores do Morro, pondo-os em contato com outros grupos populares, que lutam pela sobrevivência da cultura popular.

2 - Formar novos conhecedores e admiradores de Folia de Reis, estabelecendo com  as escolas pública e particulares da Cidade uma parceria onde o encontro do foliões com professores e alunos seria um canal para qualificar as informações sobre as manifestações populares de nosso Estado.

Entrevista


Autores: Riquinho (Mestre da Folia de Reis), Ronaldo, Junior (palhaços da Folia de Reis) e Adair Rocha (Santa Marta).

De Mestre para Mestre: "Joãozinho foi uma das pessoas mais inteligentes que conheci, dentro de sua capacidade". Do Mestre Zé Diniz, na hora derradeira do Mestre Joãozinho.

Inicialmente, "jornada" e "profecia" são palavras importantes para se compreender a existência da Folia de Reis, no Santa Marta e em toda parte.

A grande viagem dos Reis Magos para visitar o Menino que havia nascido em Belém e que seria o Salvador, chamada também de Messias, segundo as "profecias", durou doze dias, do Natal ao Dia de Reis, para levarem seus presentes: ouro, incenso e mirra. Gaspar, Melquior e Baltasar eram seus nomes.

Os antecedentes e a trajetória dessa folia foi descrita pelos mestres Dodô, um dos primeiros moradores do Santa Marta, quando em 1941 foram construídos os primeiros barracos, e pelo Mestre Zé Diniz, Filhos da "Quinha", uma espécie de matriarca ou sacerdotisa, guia da família Silva, abre caminhos conduzindo a Bandeira dos Três Reis, abria os caminhos para seus filho Zé Diniz e sua esposa Maura, que comanda as pastorinhas. Seu neto Ronaldo e o bisneto Juninho, palhaços da Folia e o Mestre atual Riquinho, também seu neto, conviveram com "Quinha".

Segundo Dodô e Zé Diniz "nós vamos começar pelos fundamentos da Folia. Essa Folia de Reis do Santa Marta é nascida lá na Ilha do Governador, do pai do finado Mestre Joãozinho. Nós saíamos lá, na folia dele. Depois ele faleceu e nós fomos sair numa outra folia. Ele se chamava João Lopes Israel. Então aprendemos a cantar na Folia de Reis com ele. Já o Joãozinho é quem armou a Folia, com o Luis Santos Silva, que passou para mim (Dodô) e depois, o finado Joãzinho. Cantamos em seguida numa Folia do Leme, do Chapéu Mangueira, com o Manoel Balbino, também falecido. Então descobrimos que tínhamos sabedoria para armar nossa Folia. Inicialmente, fomos ajudados pelo birosqueiro João Silva que nos deu o 'fardamento'. Então o fundamento dessa Folia tem: o Luis dos Santos, José Hilário dos Santos (Dodô), Zé Diniz, Paulinho e Joãozinho.Dodô cantou quatro anos e passou para o Joãozinho (grande Mestre). Depois, Dodô e Luis se revezavam de Mestre o contra-mestre. Tiveram a mesma escola".[1]

O mestre seguinte foi Zé Diniz, que faleceu também mas é memória viva da Folia, que tem hoje, em seu filho Riquinho o Mestre que mantem a "jornada" sempre mais viva e atual, na parceria de Juninho e Ronaldo liderando a escolinha que agrega a criançada que dá futuro a essa tradição.

A trajetória do 25 de dezembro ao 6 de janeiro, ainda celebra um devoto e padroeiro, o Mestre São Sebastião, com a Procissão de 20 de janeiro, organizada e conduzida pelos Foliões e Penitentes do Santa. Reúne-se novamente na metade do ano para o 'Descante" ( para cantar de novo no ano seguinte).

Com Mestre, contra-Mestre, o cordão das vozes, pastorinhas e percussionistas, e ainda com dois ou quatro palhaços, mascarados que representam os soldados de Herodes e, portanto, distraem e divertem, especialmente a criançada, que faz a festa, essa composição da Folia de Reis representa uma atitude de fé e cultura, que atualiza a anunciação, o nascimento, a perseguição, o sofrimento, a morte e a ressurreição, na sabedoria da palavra que o Mestre domina, cantando em versos a significação do Presépio e a sequência da profecia, conforme o acolhimento doméstico ou institucional.

Imagens da Folia de Reis

 

85079752 853496691730582 7351050949051285504 n.jpg
85043309 1587230384785970 7492156881176100864 n.jpg
85021902 2528131160763238 4425434774521249792 n.jpg
84879331 639039003578535 2484095129934102528 n.jpg
80007821 813740105717723 3816033955224748032 n.jpg
80001439 2825813950771709 175139755489492992 n.jpg
79200609 2517803398542170 2670442362064338944 n.jpg
79108795 572504220200135 2278546031031353344 n.jpg
78871405 2402476826548392 7888423474576752640 n.jpg
78861398 2668853783173603 9058143863293607936 n.jpg
78854770 2668423399891335 1213450564608720896 n.jpg
78231906 768784453636859 7238332285441802240 n.jpg

 

 

  1. Entrevista concedida em 1985 para a dissertação de Mestrado: Na reza se conta a história e se canta a luta. Um estudo da Folia de Reis do Morra Santa Marta, defendido na Educação da PUC-Rio, por Adair Rocha.