Mães da Favela On (projeto)

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Revisão de 12h41min de 23 de setembro de 2020 por Caiqueazael (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Inserido pela equipe do Dicionário de Favelas Marielle Franco  

Mãe tá on.jpg

A Central Única das Favelas (CUFA) em setembro de 2020 em todo o Brasil, o programa “Mães da Favela ON”, iniciativa que distribuirá 500 mil chips de telefonia para mães já cadastradas e atendidas pela organização, visando conectar 4,5 milhões de pessoas à internet. A proposta, que tem o intuito de promover a democratização digital nas comunidades, soma-se a uma série de medidas adotadas pela instituição, a fim de amenizar os impactos do avanço da pandemia. A ideia é conectar 4,5 milhões de moradores de comunidades de todo o país, através de uma parceria inédita com a TIM Brasil, Alô Social e Comunidade Door. Serão disponibilizados 20 pontos de Wi-Fi livre em 150 favelas de todo o Brasil, além da distribuição de 500 mil chips para mães da comunidade, alcançando cerca de cinco mil territórios brasileiros. 

Cada mãe contemplada, receberá 1 chip da Tim e, durante 6 meses, terá direito a 24h por dia de WhatsApp ilimitado, 24h por dia de ligações para todo o Brasil e para qualquer operadora, 1 GB de Internet livre por mês, 24h de Internet controlada, ou seja, com acesso a conteúdos de educação, negócios e cultura, tendo a curadoria da UNESCO, facilitando, inclusive, o acesso ao ensino remoto, método utilizado pelas instituições de ensino.

Para efetuar o pré-cadastro, as mães devem entrar em contato através da página CUFA Frederico Westphalen, no Facebook, ou via (055) 9 9721 0671, Guilherme Henrique da Silva, responsável pela inscrição. 

Um dos fundadores da Cufa, Celso Athayde, comenta sobre o protagonismo da mulher na favela e a importância de existir projetos como o Mães da Favela ON. “Muita vezes a gente levava o feijão e ela não tinha dinheiro para poder comprar o gás, para poder cozinhar esse feijão, então a gente entendeu que era muito importante também a gente levar para essas mães uma coisa chamada autonomia e isso realmente tem feito muita diferença”.

O projeto tem apelo especial em tempos de pandemia, já que a maioria dos serviços foi direcionada para o ambiente digital para promover o isolamento social. No entanto, o cenário também ressalta as desigualdades sociais, promovendo exclusão entre os que não têm condições de acesso à Internet.

Pesquisa do Instituto Data Favela mostra que 46% das crianças das comunidades que serão beneficiadas, e estão em idade escolar, não tem assistido as aulas durante a pandemia. Segundo o Instituto, 84% dos internautas de comunidades terminam o pacote de dados muito antes do programado.

Referências Bibliográficas