Mapas Afetivos

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa

A Cartografia é a ciência que trabalha com as representações espaciais a partir de diversas técnicas visuais e cálculos matemáticos. Os mapas criados pelos cartógrafos são instrumentos de poder que desde épocas imemoriais são imprescindíveis para o desenvolvimento das sociedades através de aspectos econômicos, políticos, sociais, religiosos, etc. Assim como diversas outras ciências, a Cartografia passou por metamorfoses e novas perspectivas cartográficas surgiram, dentre elas, os mapas afetivos. Ao cartografar os lugares a partir das sensações das pessoas, os mapas afetivos dão materialidade para a subjetividade dos espaços vividos, conhecidos, desconhecidos ou imaginados, caminhando para uma representação da rua, do bairro, da cidade não pelo prisma político do Estado e sim pelo microcosmo do cotidiano e das construções imaginárias do EU sobre o espaço. Ao colocar na centralidade da representação as percepções sensoriais das pessoas, os mapas afetivos de forma direta ou indireta são capazes de desenvolver identidades territoriais, indicando lugar (afetividade com o espaço) e não-lugar (esvaziado de sentido para o ser). Ao ilustrar essa dicotomia entre afetivo e não efetivo, esses mapas sensoriais são capazes de iniciar a tessitura de experiências das pessoas e sua relação com os espaços-tempos por onde coabitam sentimentos plurais sobre o espaço. Foi a partir dessa perspectiva cartográfica, que os educadores e as educadoras do Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré – CEASM, desenvolveram junto às educandas e aos educandos do Curso Preparatório para o Ensino Médio da instituição o projeto de Mapas Afetivos da Maré.

Autor: Luiz Augusto Ferreira Lourenço