Mudanças entre as edições de "Milícia"

De Dicionário de Favelas Marielle Franco
Ir para navegação Ir para pesquisar
Linha 1: Linha 1:
 
A milícia constitui certamente uma das mais graves ameaças à democracia brasileira, especialmente porque sua atuação ocorre marcadamente nos territórios populares, sobretudo em favelas e periferias das regiões metropolitanas. Ainda que sua presença tenha se tornado mais evidente no Rio de Janeiro, hoje se pode falar de um fenômeno nacional, que compromete o acesso da população a direitos básicos de liberdade, e muito especialmente aos direitos políticos.
 
A milícia constitui certamente uma das mais graves ameaças à democracia brasileira, especialmente porque sua atuação ocorre marcadamente nos territórios populares, sobretudo em favelas e periferias das regiões metropolitanas. Ainda que sua presença tenha se tornado mais evidente no Rio de Janeiro, hoje se pode falar de um fenômeno nacional, que compromete o acesso da população a direitos básicos de liberdade, e muito especialmente aos direitos políticos.
Mas o que é milícia exatamente? A dificuldade na delimitação conceitual da milícia é por si reveladora da complexidade da questão, pois revela um fenômeno em constante mutação. Originalmente, a milícia se confundia com outras formas com outras formas urbanas de organizações paramilitares que envolvem diretamente agentes ligados ao estado, sendo muitas vezes tratada como o antigo grupo de extermínio, em geral composto por membros ligados à polícia militar, e que agia a serviço de empresários e comerciantes de determinada região. Pouco a pouco no entanto, ficou nítido que estávamos diante de um fenômeno novo. Em torno dos anos de 2000, percebia-se que em algumas favelas surgia um tipo de organização que, diversamente do tráfico, se notabilizava por construir um tipo de domínio militar, econômico e político com práticas totalitárias. Composta em geral por ex-policiais e bombeiros militares, mas com fácil trânsito junto a segmentos da ativa dessas corporações, se afirma inicialmente como um grupo que reivindica para si a atuação como um grupo paramilitar que mantém os bandos de traficantes fora de sua área de domínio. Foi por essa via que disputou um espaço simbólico de legitimadade junto à população local, reivindicando para si o papel de protetor da segurança da localidade onde atua. E com essa face contou com o apoio explícito ou consentido de autoridades locais e estaduais, inclusive de governadores de estado. Gradualmente, esses grupos foram acumulando um poderio econômico, em geral a partir do controle fundiário, do comércio de gás, do serviço de transporte clandestino, entre outros nichos de grande lucratividade nos territórios populares. Juntamente com esse domínio econômico, também ganha força o controle da vida associativa local, e o agenciamento do voto da população. Com isso, logo a milícia se converte em parte muito orgânica de máquinas políticas com atuação em amplas áreas das grandes cidades e metrópoles.  
+
Mas o que é a milícia exatamente? A dificuldade na delimitação conceitual da milícia é por si reveladora da complexidade da questão, pois revela um fenômeno em constante mutação. Originalmente, a milícia se confundia com outras formas com outras formas urbanas de organizações paramilitares que envolvem diretamente agentes ligados ao estado, sendo muitas vezes tratada como o antigo grupo de extermínio, em geral composto por membros ligados à polícia militar, e que agia a serviço de empresários e comerciantes de determinada região. Pouco a pouco no entanto, ficou nítido que estávamos diante de um fenômeno novo. Em torno dos anos de 2000, percebia-se que em algumas favelas surgia um tipo de organização que, diversamente do tráfico, se notabilizava por construir um tipo de domínio militar, econômico e político com práticas totalitárias. Composta em geral por ex-policiais e bombeiros militares, mas com fácil trânsito junto a segmentos da ativa dessas corporações, se afirma inicialmente como um grupo que reivindica para si a atuação como um grupo paramilitar que mantém os bandos de traficantes fora de sua área de domínio. Foi por essa via que disputou um espaço simbólico de legitimadade junto à população local, reivindicando para si o papel de protetor da segurança da localidade onde atua. E com essa face contou com o apoio explícito ou consentido de autoridades locais e estaduais, inclusive de governadores de estado. Gradualmente, esses grupos foram acumulando um poderio econômico, em geral a partir do controle fundiário, do comércio de gás, do serviço de transporte clandestino, entre outros nichos de grande lucratividade nos territórios populares. Juntamente com esse domínio econômico, também ganha força o controle da vida associativa local, e o agenciamento do voto da população. Com isso, logo a milícia se converte em parte muito orgânica de máquinas políticas com atuação em amplas áreas das grandes cidades e metrópoles.  
 
Mutante, e farejando toda sorte de oportunidades de bons negócios, os grupos hoje caracterizados como milicianos se transformaram, confundindo-se agora em muitos locais com os grupos de traficantes que pretendiam combater. De fato, há evidências de que  hoje estaria em curso formas de consórcio entre esses dois tipos de grupos. Por outro lado, sua presença na vida política de cidades como o Rio de Janeiro encontra-se fortemente enraizada nas câmaras de vereadores e na assembleia legislativa, tendo participação ativa e decisiva em pleitos eleitorais. Não bastasse isso, é notório que as milícias vêm expandindo seus territórios de atuação, impondo, de forma violenta, sua forma de mandonismo, incluindo bairros de classe média baixa dos subúrbios da cidade.
 
Mutante, e farejando toda sorte de oportunidades de bons negócios, os grupos hoje caracterizados como milicianos se transformaram, confundindo-se agora em muitos locais com os grupos de traficantes que pretendiam combater. De fato, há evidências de que  hoje estaria em curso formas de consórcio entre esses dois tipos de grupos. Por outro lado, sua presença na vida política de cidades como o Rio de Janeiro encontra-se fortemente enraizada nas câmaras de vereadores e na assembleia legislativa, tendo participação ativa e decisiva em pleitos eleitorais. Não bastasse isso, é notório que as milícias vêm expandindo seus territórios de atuação, impondo, de forma violenta, sua forma de mandonismo, incluindo bairros de classe média baixa dos subúrbios da cidade.
 
Reações a essa forma de controle dos territórios populares vêm se dando de forma muito intermitente, e sem a necessária continuidade e profundidade. É exemplo disso a CPI das Milícias conduzida na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em 2008, e que resultou em um relatório, conduzido pelo então Deputado Estadual Marcelo Freixo, sugerindo diversas iniciativas importantes de combate à milícia. No entanto, passado o período imediatamente após a publicação do relatório, as milícias voltam a se expandir com redobrada força. Mais recentemente, sob a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, várias operações envolvendo o Exército foram intentadas contra milícia, mas quase sempre prejudicadas por vazamentos de informação.
 
Reações a essa forma de controle dos territórios populares vêm se dando de forma muito intermitente, e sem a necessária continuidade e profundidade. É exemplo disso a CPI das Milícias conduzida na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em 2008, e que resultou em um relatório, conduzido pelo então Deputado Estadual Marcelo Freixo, sugerindo diversas iniciativas importantes de combate à milícia. No entanto, passado o período imediatamente após a publicação do relatório, as milícias voltam a se expandir com redobrada força. Mais recentemente, sob a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, várias operações envolvendo o Exército foram intentadas contra milícia, mas quase sempre prejudicadas por vazamentos de informação.

Edição das 18h51min de 21 de dezembro de 2018

A milícia constitui certamente uma das mais graves ameaças à democracia brasileira, especialmente porque sua atuação ocorre marcadamente nos territórios populares, sobretudo em favelas e periferias das regiões metropolitanas. Ainda que sua presença tenha se tornado mais evidente no Rio de Janeiro, hoje se pode falar de um fenômeno nacional, que compromete o acesso da população a direitos básicos de liberdade, e muito especialmente aos direitos políticos. Mas o que é a milícia exatamente? A dificuldade na delimitação conceitual da milícia é por si reveladora da complexidade da questão, pois revela um fenômeno em constante mutação. Originalmente, a milícia se confundia com outras formas com outras formas urbanas de organizações paramilitares que envolvem diretamente agentes ligados ao estado, sendo muitas vezes tratada como o antigo grupo de extermínio, em geral composto por membros ligados à polícia militar, e que agia a serviço de empresários e comerciantes de determinada região. Pouco a pouco no entanto, ficou nítido que estávamos diante de um fenômeno novo. Em torno dos anos de 2000, percebia-se que em algumas favelas surgia um tipo de organização que, diversamente do tráfico, se notabilizava por construir um tipo de domínio militar, econômico e político com práticas totalitárias. Composta em geral por ex-policiais e bombeiros militares, mas com fácil trânsito junto a segmentos da ativa dessas corporações, se afirma inicialmente como um grupo que reivindica para si a atuação como um grupo paramilitar que mantém os bandos de traficantes fora de sua área de domínio. Foi por essa via que disputou um espaço simbólico de legitimadade junto à população local, reivindicando para si o papel de protetor da segurança da localidade onde atua. E com essa face contou com o apoio explícito ou consentido de autoridades locais e estaduais, inclusive de governadores de estado. Gradualmente, esses grupos foram acumulando um poderio econômico, em geral a partir do controle fundiário, do comércio de gás, do serviço de transporte clandestino, entre outros nichos de grande lucratividade nos territórios populares. Juntamente com esse domínio econômico, também ganha força o controle da vida associativa local, e o agenciamento do voto da população. Com isso, logo a milícia se converte em parte muito orgânica de máquinas políticas com atuação em amplas áreas das grandes cidades e metrópoles. Mutante, e farejando toda sorte de oportunidades de bons negócios, os grupos hoje caracterizados como milicianos se transformaram, confundindo-se agora em muitos locais com os grupos de traficantes que pretendiam combater. De fato, há evidências de que hoje estaria em curso formas de consórcio entre esses dois tipos de grupos. Por outro lado, sua presença na vida política de cidades como o Rio de Janeiro encontra-se fortemente enraizada nas câmaras de vereadores e na assembleia legislativa, tendo participação ativa e decisiva em pleitos eleitorais. Não bastasse isso, é notório que as milícias vêm expandindo seus territórios de atuação, impondo, de forma violenta, sua forma de mandonismo, incluindo bairros de classe média baixa dos subúrbios da cidade. Reações a essa forma de controle dos territórios populares vêm se dando de forma muito intermitente, e sem a necessária continuidade e profundidade. É exemplo disso a CPI das Milícias conduzida na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em 2008, e que resultou em um relatório, conduzido pelo então Deputado Estadual Marcelo Freixo, sugerindo diversas iniciativas importantes de combate à milícia. No entanto, passado o período imediatamente após a publicação do relatório, as milícias voltam a se expandir com redobrada força. Mais recentemente, sob a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, várias operações envolvendo o Exército foram intentadas contra milícia, mas quase sempre prejudicadas por vazamentos de informação. Por sua capilaridade, sua capacidade de resistência, sua presença insidiosa no acesso à participação política, por sua forma violenta e brutal de imposição de medo nos territórios em que atua, e por sua presença tentacular nos poderes governamentais, a milícia sem dúvida representa uma das mais sérias ameaças à democracia brasileira.

Autor: Marcelo Burgos