Mudanças entre as edições de "Morro Azul"

De Dicionário de Favelas Marielle Franco
Linha 1: Linha 1:
 
'''Autor: Fernando Ermiro'''
 
  
 
<span style="line-height:108%"><font color="#0563c1"><font color="#000000"><font face="Times New Roman, serif"><font size="3"><font style="font-size: 12pt"><span style="text-decoration:none">'''Origem:''' Wikipédia, a enciclopédia livre</span></font></font></font></font></font></span>
 
<span style="line-height:108%"><font color="#0563c1"><font color="#000000"><font face="Times New Roman, serif"><font size="3"><font style="font-size: 12pt"><span style="text-decoration:none">'''Origem:''' Wikipédia, a enciclopédia livre</span></font></font></font></font></font></span>
Linha 24: Linha 22:
 
&nbsp;
 
&nbsp;
  
[[Category:Temática - Favelas do Rio de Janeiro]]
+
&nbsp;
 +
 
 +
[[Category:Temática - Favelas e Periferias]]

Edição das 16h11min de 17 de abril de 2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

História

O Morro Azul, dá nome atualmente a favela de mesmo nome e teria começado a ser habitado aproximadamente na década de 30 do século XX, entretanto deduz-se que os primórdios dessa ocupação, contaria para mais de um século antes. As terras do Morro, uma parte dela pertenceu a Ordem Terceira, que vendeu por uma bagatela vastas metragens para moradores da parte rica, do lado de Botafogo, Rua Bento Manuel. Já, do lado de Laranjeiras, Rua Presidente Carlos Campos, tem condomínio que se expandiu até no topo do Morro Azul, se apossando inclusive de área que no passado era campinho de futebol da favela; levantaram um muro e construíram uma piscina. Noutra parte do alto do Morro Azul, no terreno do Abrigo Romão Duarte (Santa Casa de Misericórdia), construíram uma arena de lutas.

O conjunto arquitetônico desse terreno vem do século XVIII, tendo sido residência do proprietário de quase toda a região hoje denominada de Botafogo, José Fernandes, filho do conhecido contratador de diamantes João Fernandes de Oliveira (que viveu em Diamantina-MG, de 1755 a 1770) e da famosa ex-escrava Chica da Silva, que, teria financiado escravos libertários, muitos dos quais teriam usado o Morro Azul (antiga Chácara das Mangueiras) como trilha de fugas para construírem quilombos no interior das matas que cobriam a Zona Sul.

Existem três referências para a origem do nome:

1ª- Palacete (atualmente é rosa) situado no topo do morro que é dividido em duas partes (lado classe média alta e lado classe trabalhadora). Nos primórdios esse palacete era pintado de azul. Lá residiam descendentes de Olavo Bilac.

2ª- A referência mais forte é a da lanchonete Azul, devido por ali, os moradores pioneiros terem tido acesso ao morro por vários anos. Este estabelecimento ainda existe na Rua Marquês de Abrantes, 158, Flamengo, Rio de Janeiro.

3ª- Outra referência foi o reflexo de tom meio azulado, em dias ensolarados incidindo na superfície do lado desnudo do morro, chamado de pedreira, que hoje é de preservação ambiental, pois se encontra totalmente arborizada, lá foram replantadas mais de setecentas árvores, resultado de projeto em parceria da comunidade do Morro Azul com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente.
 

Referências

https://pt.wikipedia.org/wiki/Morro_Azul