Morro do Borel (memórias)

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa

Autores: Mônica Francisco e Diego Santos.

O Borel

O verbete Morro do Borel, construído à partir de uma perspectiva favelada como uma síntese da tríade memórias, afetos e sentidos impressos nele, e não somente como uma categoria sócio-espacial. Lugar onde as redes de solidariedade e autoproteção, geram vivências singulares e muito particulares, do que as vividas pelo restante da cidade.

Morro do Borel: Situado no Maciço da Tijuca, bairro da denominada Grande Tijuca, situado na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. É um espaço coletivo ocupado por camadas populares, que vivenciam desde a década de 1930, experiências de morar diferenciadas; seja pelos processos de auto-construção, bem como na sua pulsante forma de sociabilidade. Um exemplo disso, é seu protagonismo nas formas de resistência e ação associativas e de organização comunitária.

Lutas e resistências

É possível destacar eventos singulares na trajetória do Borel, tais como:

Formou-se a partir das mobilizações do Morro do Borel, localizado na Zona Norte, na divisa da região da Tijuca com o Alto da Boa Vista. Os moradores do Borel lutavam contra os despejos promovidos pela incorporadora imobiliária Borel Meuron Ltda. A experiência ganhou evidência no espaço político e se expandiu para outras localidades;

Ação coletiva que reuniu diversas favelas, movimentos e instituições para denunciar a violência policial que resultou na morte de quatro jovens e que mais tarde se tornou um movimento social organizado e atuante em todo o estado do Rio de Janeiro e deu origem à Rede de Comunidades Contra a Violência.

Em 2010, a favela do Borel foi ocupada pela polícia como parte da política de segurança conhecida como Unidades de Polícia Pacificadora(UPP). Diante da chegada violenta do braço armado do estado, as organizações e instituições locais se organizaram no que ficou conhecido como a Rede de Instituições Borel, a organização teve como objetivo dialogar com o poder público de “igual pra igual” e como intenção primeira acompanhar todo o processo de implementação das políticas de segurança e sociais que deveriam chegar naquele período.

Organizado pelos/as moradores/as após um “toque de recolher” imposto pelo comando da Unidade de Polícia Pacificadora. Na noite de 5 de dezembro de 2012, mobilizados pelas redes sociais, os moradores ocuparam o “pé do morro”, em frente ao Centro Integrado de Educação Pública(Ciep) Dr. Antoine Magarinos Torres Filho para reafirmar a sua autonomia no território. Acompanhados de ativistas, intelectuais e artistas locais, os moradores denunciaram a arbitrariedade policial e ainda subiram a pé a principal via de acesso à favela, a Estrada da Independência, para finalizar no local chamado Terreirão o ato de protesto.