Mudanças entre as edições de "Rede de Observatórios da Segurança"

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa
(Criou página com ' = Rede de Observatórios da Segurança = Cinco organizações, de cinco estados, conectadas com um objetivo: monitorar e difundir informações sobre segurança pública, vi...')
(Sem diferença)

Edição das 14h07min de 10 de setembro de 2019

Rede de Observatórios da Segurança

Cinco organizações, de cinco estados, conectadas com um objetivo: monitorar e difundir informações sobre segurança pública, violência e direitos humanos. A Rede de Observatórios da Segurança é uma iniciativa de instituições acadêmicas e da sociedade civil da Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo dedicada a acompanhar políticas públicas de segurança e a criminalidade nesses estados.

Com metodologia inspirada na bem-sucedida experiência do Observatório da Intervenção, projeto do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC), que monitorou as ações das Forças Armadas no Rio de Janeiro durante a intervenção federal em 2018, a Rede acompanha 16 indicadores, além dos dados oficiais e orçamentos governamentais e realiza relatórios, infográficos e vídeos, além de seminários e encontros.

Além do CESeC, as organizações que formam a rede são: Iniciativa Negra Por Uma Nova Política de Drogas, da Bahia; Laboratório de Estudos da Violência (LEV), do Ceará; Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (Gajop), de Pernambuco; Núcleo de Estudos da Violência (NEV/USP), de São Paulo..

Outra dimensão do trabalho da  Rede de Observatórios é a criação de fóruns de discussão. Cada Observatório articula redes temáticas em diferentes áreas, como  pesquisadores de segurança pública; ativistas de favelas e periferias; ONGs e movimentos sociais; movimento negro; movimento LGBT; mandatos de parlamentares; Judiciário e Ministério Público; tecnologia e transparência; e comunicação.

 

Como é feito?

A Rede de Observatórios da Segurança é uma iniciativa inédita no país de produção cidadã de informações sobre segurança pública, criminalidade e violência. É formada por cinco organizações, de cinco estados, que reúnem e sistematizam dados sobre 16 indicadores:

  • Ações e ataques de grupos criminais
  • Chacinas
  • Corrupção policial
  • Feminicídio e violência contra mulher
  • Intolerância religiosa
  • Linchamentos
  • Manifestação, greve e protesto
  • Policiamento
  • Racismo e injúria racial
  • Sistema penitenciário
  • Sistema socioeducativo
  • Violência armada
  • Violência contra agentes do Estado
  • Violência contra crianças e adolescentes
  • Violência contra LGBTI+
  • Violências por agentes do Estado

As organizações que fomam a rede seguem a mesma metodologia de acompanhamento e sistematização, baseada na que foi implantada pelo Observatório da Intervenção, iniciativa do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) durante a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, em 2018. Nosso trabalho consiste na pesquisa, seleção e classificação de informações dos principais jornais regionais e brasileiros; veiculos de mídia alternativos e páginas locais no Facebook. Relatos e informações de ativistas e organizações dedicados ao tema segurança pública e direitos humanos são insumos para a pesquisa. Diariamente, as informações de diferentes fontes são confrontadas e registradas. Os dados só são considerados validados depois de passar pela revisão da equipe.

Mantemos ainda uma parceria com o Laboratório de Dados Fogo Cruzado, plataforma digital colaborativa que registra a incidência de violência armada nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e Recife.

Os informes divulgados pelos governos estaduais sobre categorias como homicídios, latrocínios, roubos a transeuntes e de cargas também são contabilizados e analisados em profundidade. As equipes da Rede acompanham ainda Diários Oficiais e portais governamentais para mensurar os gastos no setor. Utilizamos a Lei de Acesso à Informação (LAI) para solicitar informações não divulgadas pelas fontes  governamentais.

A metodologia da Rede foi inspirada em outras iniciativas reconhecidas e premiadas internacionalmente, como o Armed Conflict Location & Event Data Project (ACLED), o Gun Violence Archive e o Fogo Cruzado.

 

Fonte: observatorioseguranca.com.br