Regras:Regras Editoriais

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para navegação Ir para pesquisar

O projeto Dicionário de Favelas Marielle Franco tem por objetivo manter uma plataforma virtual para estimular a construção coletiva do conhecimento existente sobre as favelas e periferias do Brasil, por meio da articulação de uma rede de parceiros que já se dedicam a este tema, tanto nas academias quanto nas instituições produtoras de conhecimentos existentes nas próprias favelas. A plataforma é baseada no modelo Wiki, em que a produção de conteúdo é feita de maneira colaborativa e o conteúdo é disponibilizado de forma aberta e livre para reutilização.

Todas as pessoas que desejarem colaborar com o projeto poderão atuar na produção de conteúdo, sendo que cada participante deverá se identificar com uma conta de usuário no Wiki. Além disso, as atividades do Dicionário serão regidas por um conjunto de regras editoriais, as quais estão sendo inicialmente propostas aqui:


Pilares editoriais:

Os pilares editoriais são princípios fundamentais sobre os quais os Dicionário é construído. Esses pilares servem tanto para orientar as atividades de colaboração, como para resolver eventuais conflitos que surjam durante o projeto:

1) Escopo do Dicionário: O Dicionário de Favelas reúne conhecimento sobre as favelas do Rio de Janeiro na forma de uma enciclopédia. Contudo, não serão registrados conhecimentos inéditos, nem servirá como repositório de documentos. O armazenamento e a catalogação de documentos digitais são atribuídos à Biblioteca Carioca de Favelas.

2) Pluralidade: O Dicionário de Favelas é caracterizado pela pluralidade de pontos de vista. Parte-se da premissa de que não existe uma verdade absoluta e que argumentos conflitantes podem ser manifestos no Dicionário. Assim, um conteúdo não se sobrepõe ao outro, e as divergências são evidenciadas na forma de controvérsias. O projeto vai assegurar a manifestação de diferentes perspectivas de maneira respeitosa, cabendo aos leitores formarem opinião sobre as questões controversas.

3) Conteúdo Livre: O conteúdo do dicionário será disponibilizado de forma livre, nos termos da licença Creative Commons SA 3.0. Tal licença autoriza qualquer pessoa a criar, copiar, modificar e distribuir conteúdo do Dicionário, à condição de conservar esta mesma licença em usos posteriores, assim como creditar os autores originais. Desse modo, os verbetes do Dicionário não possuem um dono, mas os colaboradores serão registrados na plataforma de modo a assegurar o direito autoral.

4) Normas de Conduta: O Dicionário de Favelas possui normas de conduta que visam assegurar produção ética de conteúdo e a convivência respeitosa dos colaboradores. Essas normas de condutas são editadas pelo Conselho Editorial do projeto.


Perfil dos usuários:

A participação na produção de conteúdo será aberta a todos aqueles que desejarem colaborar com o projeto, sendo que cada participante deverá se identificar com uma conta de usuário no Wiki. Cada usuário com conta no Wiki será enquadrado dentro de um perfil, conforme os descritos a seguir:

1) Conselho Editorial: O Conselho Editorial é composto por representantes das instituições originárias do projeto, quais sejam: o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT-Fiocruz), o Coletivo de Estudos sobre Violência e Sociabilidade (CEVIS), Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR/UFRJ), o Instituto Raízes em Movimento, o Centro de Estudos e Ações Culturais e de Cidadania (CEACC) e o Grupo Eco, além de instituições parceiras que formam o Conselho Ampliado, como o Museu da Maré (CEASM) e o Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC). Tal conselho tem por objetivo nortear o desenvolvimento do projeto e deliberar sobre questões que surgirem e não forem resolvidas nas outras instâncias. Assim, o Conselho Editorial é o último nível de deliberação do projeto. Além disso, o conselho deve eleger os eixos prioritários do projeto, bem como Normas e Recomendações de Conduta.

2) Editores: Os Editores são responsáveis pela qualidade dos verbetes. Para tanto, os editores possuem direitos de eliminar conteúdo e advertir usuários que não sigam os Pilares e Normas de Conduta do Dicionário. Além disso, os Editores devem estimular a adesão às Recomendações de Conduta do Dicionário. Colaboradores podem ser alçados a editores por recomendação do Conselho Editorial.

3) Colaboradores: São Colaboradores todos os participantes do Dicionário de Favelas que escrevem conteúdo. Os Colaboradores podem tanto integrar um Grupo de Trabalho, quanto atuar de forma autônoma, escrevendo conteúdo de verbetes sobre favelas e periferias. Cada Colaborador deve ter uma conta de usuário plataforma do Dicionário e respeitar os Pilares e Normas de Conduta.

4) Leitores: Os Leitores são todos que acessam a plataforma do Dicionário de Favelas com objetivo de apenas ler o conteúdo produzido. Esses usuários não precisam se cadastrar no sistema do Dicionário e podem navegar pelas páginas livremente e sem qualquer custo.

5) Robôs: Os Robôs, ou Bots, são softwares que realizam tarefas mecânicas, tais como remover vandalismos recorrentes, correção ortográfica e criar interlinks entre páginas do Dicionário. Os Robôs são criados pela equipe do projeto e funciona sob supervisão de Editores.