Parem de nos matar! Violência estatal e racismo nas favelas e periferias (live)

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para navegação Ir para pesquisar

Autoria: Dicionário de Favelas Marielle Franco.

Sobre

"Favelas em Movimento" é a nova série de lives do Dicionário de Favelas Marielle Franco .Toda última terça-feira do mês, às 18h, no canal da VídeoSaúde (Distribuidora da Fiocruz), moradores(as) e representantes de favelas e periferias se encontram para um bate-papo sobre questões sociais, políticas, culturais e econômicas fundamentais para pensarmos a vida destas pessoas em um cenário pandêmico, mas também o futuro.

Resumo

Neste episódio, os convidados debatem os problemas da política de segurança pública para as favelas e a existência de uma polícia com altos níveis de execução do povo negro. Nesse sentido, eles chamam a atenção para as diferentes formas de convivência com a polícia, onde branquitude e negritude experienciam essa relação de formas distintas, revelando os problemas históricos e estruturais da segurança pública. Eles apontam para a necessidade de se pensar a política de segurança para além da polícia, incluindo o tráfico de drogas e as milícias e colocam a ADPF das Favelas, onde o STF deferiu liminar impedindo operações durante a pandemia em 2020, como o principal instrumento de contenção e controle da polícia. Os convidados levantam ainda o debate sobre a abolição da polícia, destacando que já existem experiências sem a presença dessa força, como em espaços autogestionados,

Parem de nos matar! Violência estatal e racismo nas favelas e periferias (live)

No dia 29/06, às 18h, aconteceu mais uma live da série "Favelas em Movimento". O tema debatido foi violência nas favelas. Convidamos para a edição da live Maria Dalva da Silva, fundadora do movimento Posso me identificar?, surgido a partir da chacina de 4 jovens do Borel pela PM e integrante da Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência; Fransergio Goulart, historiador e Coordenador Executivo da Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial-Baixada Fluminense-RJ; Daniel Hirata, professor de Sociologia da UFF, membro do Geni/Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos e do Comitê Cidadania, Violência e Gestão Estatal da ABA. A mediação foi feita por Marcia Leite que é docente da UERJ e membra do Conselho do Dicionário de Favelas Marielle Franco (ICICT/Fiocruz). Por questões técnicas, Dalva não conseguiu entrar na hora, mas estaremos juntos em outros momentos.