Wikifavelas:Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

De Dicionário de Favelas Marielle Franco
Autoria: ASCOM - Icict / Fiocruz.
Marca Icict
Marca do Icict

O direito à comunicação e à informação são fundamentais para o exercício pleno da cidadania. Ter acesso ao conhecimento, poder integrar o debate público, encontrar canais de interlocução com o governo e suas instituições, expressar-se livremente. Exemplos de direitos humanos estratégicos, pois estruturantes para os processos sociais e para a defesa e garantia de outros direitos fundamentais, como o próprio direito à saúde.

A busca por garantir esses direitos é um dos eixos a nortear as atividades do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict), uma das unidades da Fiocruz. Criado em 1986, o Icict desenvolve ações e projetos em pesquisa e ensino, que geram saberes científicos, produtos e inovações para o Sistema Único de Saúde (SUS). Com isso, cria estratégias para ampliar o acesso da sociedade ao conhecimento em saúde, ao mesmo tempo em que estimula a participação social e a pluralidade nas formas de planejar, gerir e interpretar o campo da saúde pública brasileira.

Ante esses desafios, a ideia de “acesso aberto” tem sido fundamental ao trabalho do instituto, que defende sua tomada como modelo de organização, produção e difusão da ciência. Isso significa que uma das frentes de atuação do Icict é criar caminhos para que o conhecimento científico produzido dia a dia, no Brasil e no mundo, possa estar disponível à população. Mas não é só a difusão da ciência institucionalizada que está em foco nessa busca. Levar em conta as complexas redes de produção de sentidos, nas quais diferentes atores e linhas discursivas elaboram e reelaboram o campo simbólico da saúde, em sua dimensão cotidiana, também é uma marca indispensável às estratégias que fazem da comunicação e da informação aliadas na garantia do direito à saúde.

O Icict é responsável pela coordenação da Rede de Bibliotecas da Fiocruz e pela gestão direta de três delas: Biblioteca de Manguinhos, Biblioteca de Saúde Pública e Biblioteca da Saúde da Mulher e da Criança. Além de preservar e disseminar acervos físicos, coordena o Repositório Institucional Arca, a Biblioteca Virtual em Saúde (BVS/Fiocruz) e diversos sistemas de informação.

No campo da pesquisa, o instituto desenvolve estudos analíticos e disponibiliza indicadores em temas como saúde e meio ambiente, envelhecimento, amamentação, situação da saúde da população brasileira e prospecção para as décadas futuras. Sedia o Observatório Clima e Saúde e o Observatório Saúde na Mídia, pólos de debate sempre renovado sobre os desafios do presente. Seus laboratórios também fazem o mapeamento e o diagnóstico da produção de conhecimento em ciência e tecnologia, investigando as interações entre a produção e o uso de saberes nas políticas públicas. Monitoram tecnologias e analisam problemas de informação no campo da ciência e inovação. Examinam as relações entre mídia e saúde. Pesquisam políticas, práticas, teorias e modelos de comunicação no campo da saúde. Propõem a análise crítica de metodologias de planejamento, gestão e avaliação de políticas e estratégias públicas de comunicação.

No campo audiovisual, fomenta a produção e circulação de obras por meio da VideoSaúde Distribuidora da Fiocruz, que, além da distribuição física de seu catálogo, apresenta documentários e vídeos sobre temas de saúde pública num canal online e num programa semanal. E ainda mantém o Selo Fiocruz Vídeo, que apoia a produção de filmes inéditos para seu acervo.

O Icict defende e promove a comunicação pública no campo da saúde, por meio de diversas iniciativas que agrupam notícias e promovem o debate sobre saúde e cidadania, como o Portal Fiocruz e o site PenseSUS. O Fiocruz Imagens oferece a qualquer cidadão um repositório público de fotografias e ilustrações relacionadas às temáticas da saúde. E a Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Informação em Saúde (Reciis) é um periódico científico que lança luz a pesquisas e reflexões inovadoras nestes campos.

Todas essas ações encontram na área de ensino do Icict um local privilegiado para a formação e a produção de conhecimento em torno dos temas de informação, comunicação e saúde, oferecendo metodologias e abordagens transversais, de modo interdisciplinar, por meio de cursos lato sensu e stricto sensu.

Além de módulos de qualificação e atualização, o Icict oferece quatro cursos de especialização: Informação Científica e Tecnológica em Saúde, Comunicação e Saúde, Informação, Comunicação e Equidade (EAD) e Sistemas de Informação, Monitoramento e Análise de Saúde Pública. O Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS), que completou 10 anos de atividades acadêmicas, oferece cursos regulares de mestrado e doutorado, e obteve nota 5 em sua última avaliação junto à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

No Dicionário de Favelas Marielle Franco, além de sediar a apoiar institucionalmente o projeto, o Icict contribui com a sua experiência na comunicação, difusão e organização da informação. Assim, busca amplificar os esforços em construir uma plataforma participativa, alicerçada em valores de livre expressão, pluralidade de vozes e diversidade cultural, fundamentais à defesa dos direitos humanos e à busca pela “saúde” em sua concepção ampliada, indissociável da ideia de cidadania.

Ligações externas

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)

Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Informação em Saúde (Reciis)