Mudanças entre as edições de "Ação Participativa na Cidade de Deus - Projeto de pesquisa Construindo Juntos"

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa
Linha 10: Linha 10:
 
 Neste artigo, destacamos algumas de nossas reflexões sobre o projeto de pesquisa. Primeiro, discutimos a importância dessa abordagem para a pesquisa, particularmente em um bairro que frequentemente é objeto de pesquisa, mas raramente envolvido na produção ou análise de dados. Segundo, descrevemos algumas de nossas principais descobertas. O que conta como importante, no entanto, é sempre subjetivo. Os autores, três dos quais são moradores da Cidade de Deus, discutem o que consideram os principais temas de nossos dados e o que isso sugere sobre as experiências vividas pelos moradores locais. Considerando o que aprendemos a partir desse projeto, concluímos refletindo sobre a relação dos ambientes acadêmicos formais com bairros frequentemente caracterizados pela informalidade e vulnerabilidade social. 
 
 Neste artigo, destacamos algumas de nossas reflexões sobre o projeto de pesquisa. Primeiro, discutimos a importância dessa abordagem para a pesquisa, particularmente em um bairro que frequentemente é objeto de pesquisa, mas raramente envolvido na produção ou análise de dados. Segundo, descrevemos algumas de nossas principais descobertas. O que conta como importante, no entanto, é sempre subjetivo. Os autores, três dos quais são moradores da Cidade de Deus, discutem o que consideram os principais temas de nossos dados e o que isso sugere sobre as experiências vividas pelos moradores locais. Considerando o que aprendemos a partir desse projeto, concluímos refletindo sobre a relação dos ambientes acadêmicos formais com bairros frequentemente caracterizados pela informalidade e vulnerabilidade social. 
  
 +
 
  
 
= Pesquisa de Ação Participativa (PAP) nas Favelas =
 
= Pesquisa de Ação Participativa (PAP) nas Favelas =
Linha 31: Linha 32:
  
 
#O conhecimento foi produzido coletivamente. Enquanto Anjuli e Ricardo ajudaram a organizar e liderar a equipe, muitos outros moradores desempenharam um papel relevante no projeto. Um morador local, Deko, criou um panfleto para divulgar as interpretações preliminares do banco de dados. A equipe de pesquisa distribuiu folhetos para 3.000 moradores. Outra moradora, Mirian Andrade, fez um site com os dados. Os membros da equipe apresentaram as descobertas às ONGs do bairro e dezenas de moradores e ativistas de áreas vizinhas participaram da análise dos dados. Eles também ofereceram sugestões de como divulgar os resultados. Por fim, outra moradora, a antropóloga Viviane Potiguara, realizou análise do banco de dados e escreveu o relatório final da pesquisa. Em outras palavras, os moradores locais desempenharam um papel central no desenvolvimento do projeto e na determinação do que deveria ser pesquisado e como os dados deveriam ser interpretados. Agora estamos em processo de produzir e publicar artigos em coautoria a partir da análise dos dados - que, como já chamamos a atenção, refletem a contribuição chave e prioridades no campo de pesquisa em ciências sociais dos membros da equipe e de outros moradores locais.  
 
#O conhecimento foi produzido coletivamente. Enquanto Anjuli e Ricardo ajudaram a organizar e liderar a equipe, muitos outros moradores desempenharam um papel relevante no projeto. Um morador local, Deko, criou um panfleto para divulgar as interpretações preliminares do banco de dados. A equipe de pesquisa distribuiu folhetos para 3.000 moradores. Outra moradora, Mirian Andrade, fez um site com os dados. Os membros da equipe apresentaram as descobertas às ONGs do bairro e dezenas de moradores e ativistas de áreas vizinhas participaram da análise dos dados. Eles também ofereceram sugestões de como divulgar os resultados. Por fim, outra moradora, a antropóloga Viviane Potiguara, realizou análise do banco de dados e escreveu o relatório final da pesquisa. Em outras palavras, os moradores locais desempenharam um papel central no desenvolvimento do projeto e na determinação do que deveria ser pesquisado e como os dados deveriam ser interpretados. Agora estamos em processo de produzir e publicar artigos em coautoria a partir da análise dos dados - que, como já chamamos a atenção, refletem a contribuição chave e prioridades no campo de pesquisa em ciências sociais dos membros da equipe e de outros moradores locais.  
#Todos os membros da equipe foram pagos pelo seu trabalho. Muitos moradores de favelas operam com renda muito baixa e, como todos nós, precisam de meios financeiros para sustentar a si mesmos e suas famílias. O compromisso desse projeto era pagar a todos os moradores de maneira justa pelo seu papel, a fim de garantir que o tempo gasto no projeto não prejudicasse outras possibilidades de emprego e também reconhecesse o valor de seu trabalho. O projeto foi contemplado com doações destinadas à pesquisa da Northeastern University, da Tufts University e da American Sociological Association.
+
#Todos os membros da equipe foram pagos pelo seu trabalho. Muitos moradores de favelas operam com renda muito baixa e, como todos nós, precisam de meios financeiros para sustentar a si mesmos e suas famílias. O compromisso desse projeto era pagar a todos os moradores de maneira justa pelo seu papel, a fim de garantir que o tempo gasto no projeto não prejudicasse outras possibilidades de emprego e também reconhecesse o valor de seu trabalho. O projeto foi contemplado com doações destinadas à pesquisa da Northeastern University, da Tufts University e da American Sociological Association.  
  
 +
 
  
 
= Conclusões da pesquisa =
 
= Conclusões da pesquisa =
Linha 44: Linha 46:
 
*Os custos da insegurança: Muitos dos moradores, em nossos grupos focais, apontaram sobre como a rotina de tiroteios constantes afeta seu bem-estar e oportunidades de educação e emprego. Particularmente notáveis ​​foram os impactos da insegurança na saúde mental, afetando os moradores em 77% das famílias. Metade de todas as famílias relatou pelo menos três problemas diferentes de saúde mental, como ansiedade, desespero, medo, estresse e pressão alta. Também críticos foram os fechamentos de escolas. Em 2016, 88% das crianças faltaram à escola devido a tiroteios e  71% faltou à escola devido à ausência de professores - em muitos dos casos como consequência dos conflitos armados.  
 
*Os custos da insegurança: Muitos dos moradores, em nossos grupos focais, apontaram sobre como a rotina de tiroteios constantes afeta seu bem-estar e oportunidades de educação e emprego. Particularmente notáveis ​​foram os impactos da insegurança na saúde mental, afetando os moradores em 77% das famílias. Metade de todas as famílias relatou pelo menos três problemas diferentes de saúde mental, como ansiedade, desespero, medo, estresse e pressão alta. Também críticos foram os fechamentos de escolas. Em 2016, 88% das crianças faltaram à escola devido a tiroteios e  71% faltou à escola devido à ausência de professores - em muitos dos casos como consequência dos conflitos armados.  
 
*Consequências para a saúde: Muitas pessoas lutam para obter cuidados médicos adequados. Metade das famílias tinha pelo menos um residente em uma lista de espera para um procedimento médico no Sistema Único de Saúde, e o tempo médio de espera era de dois anos no período de realização da pesquisa. Um terço dos participantes teve uma avaliação médica onde o  diagnóstico foi feito apenas se olhando para o paciente, mas sem fazer perguntas ou tocar no paciente. Em 39% dos casos, o problema médico piorou após o tratamento. Apenas 14% dos entrevistados possuíam seguro de saúde privado.  
 
*Consequências para a saúde: Muitas pessoas lutam para obter cuidados médicos adequados. Metade das famílias tinha pelo menos um residente em uma lista de espera para um procedimento médico no Sistema Único de Saúde, e o tempo médio de espera era de dois anos no período de realização da pesquisa. Um terço dos participantes teve uma avaliação médica onde o  diagnóstico foi feito apenas se olhando para o paciente, mas sem fazer perguntas ou tocar no paciente. Em 39% dos casos, o problema médico piorou após o tratamento. Apenas 14% dos entrevistados possuíam seguro de saúde privado.  
*As pessoas estão se saindo bem: nossa pesquisa capturou muitas das estratégias que as pessoas usam para lidar com as barreiras de desenvolvimento nas favelas. Isso inclui tratar-se por conta própria, ajudar outras pessoas a encontrar empregos, consertar infraestrutura pública, ser voluntário em ONGs locais e contatar políticos. Mais de metade dos pesquisados (62%) tinham prestado ajuda para sua comunidade de alguma forma.
+
*As pessoas estão se saindo bem: nossa pesquisa capturou muitas das estratégias que as pessoas usam para lidar com as barreiras de desenvolvimento nas favelas. Isso inclui tratar-se por conta própria, ajudar outras pessoas a encontrar empregos, consertar infraestrutura pública, ser voluntário em ONGs locais e contatar políticos. Mais de metade dos pesquisados (62%) tinham prestado ajuda para sua comunidade de alguma forma.  
  
 +
 
  
 
= Lições sobre o uso do PAP nas favelas =
 
= Lições sobre o uso do PAP nas favelas =
Linha 59: Linha 62:
  
 
Para mais informações, visite nosso site: www.construindojuntos.com
 
Para mais informações, visite nosso site: www.construindojuntos.com
 +
 +
 
 +
 +
[[Category:Projeto]][[Category:Pesquisa acadêmica]][[Category:Pesquisadores acadêmicos]][[Category:Cidade de Deus]]

Edição das 17h39min de 10 de fevereiro de 2020

Autoria: Anjuli Fahlberg, Viviane Potiguara, Ricardo Andrade e Mirian Andrade.

Introdução

Entre janeiro e setembro de 2017, um projeto de pesquisa em larga escala foi executado na Cidade de Deus com o objetivo de coletar dados quantitativos que refletissem as experiências, preocupações e interesses dos moradores locais. O projeto foi baseado em uma abordagem conhecida como pesquisa de ação participativa, ou PAP, que defende a inclusão significativa dos participantes em cada aspecto do processo de pesquisa. A pesquisa promoveu participação ativa de moradores locais em cada etapa do projeto, incluindo determinar quais temas eram importantes, desenvolver as questões da pesquisa, coletar os dados, analisar os resultados e promover a divulgação do trabalho. As questões tiveram foco no âmbito do desenvolvimento social, da insegurança e da resiliência. 

Aproximadamente 120 moradores participaram da etapa de preparação e planejamento da pesquisa. Dezesseis moradores da Cidade de Deus e uma socióloga norte-americana conduziram entrevistas com 989 entrevistados em todo o bairro da Cidade de Deus. Os resultados foram distribuídos a 3.000 moradores em todo o bairro e apresentados a dezenas de moradores em grupos de discussão mais formais.

 Neste artigo, destacamos algumas de nossas reflexões sobre o projeto de pesquisa. Primeiro, discutimos a importância dessa abordagem para a pesquisa, particularmente em um bairro que frequentemente é objeto de pesquisa, mas raramente envolvido na produção ou análise de dados. Segundo, descrevemos algumas de nossas principais descobertas. O que conta como importante, no entanto, é sempre subjetivo. Os autores, três dos quais são moradores da Cidade de Deus, discutem o que consideram os principais temas de nossos dados e o que isso sugere sobre as experiências vividas pelos moradores locais. Considerando o que aprendemos a partir desse projeto, concluímos refletindo sobre a relação dos ambientes acadêmicos formais com bairros frequentemente caracterizados pela informalidade e vulnerabilidade social. 

 

Pesquisa de Ação Participativa (PAP) nas Favelas

As favelas, como outros bairros caracterizados por pobreza e informalidade, são freqüentemente objetos de pesquisa de acadêmicos, especialmente antropólogos, sociólogos e cientistas políticos. Em seu livro seminal "A Construção da Favela", Licia Valladares observa como os pesquisadores de fato ajudaram a produzir noções particulares sobre as favelas, primeiro como locais de sujeira e doença, depois como locais de desordem e uma “cultura de pobreza” e, finalmente, como vítimas da marginalidade social causada pela segregação urbana (Valladares 2005)[1]

Embora a pesquisa muitas vezes tenha como objetivo entender melhor os ambientes desconhecidos pela sociedade em geral, os pesquisadores externos têm o privilégio de determinar o que é pesquisado nas favelas, quais sistemas metodológicos são usados ​​e como as descobertas são interpretadas. Consequentemente, o que é “descoberto” e depois divulgado sobre as favelas se baseia no que pesquisadores externos acham interessante ou “verdadeiro”.

Isso tem vários problemas. Primeiro, os pesquisadores que estudam favelas raramente são de favelas: os graduados universitários no Brasil e nos Estados Unidos têm muito mais probabilidade de serem brancos e de origem na classe média ou alta. A conseqüência é que, em muitos casos, estudiosos brancos ricos estudam cidadãos negros ou pardos pobres, reproduzindo muitas das desigualdades de raça e classe que permeiam a sociedade. Segundo, os moradores das favelas são tipicamente tratados como sujeitos de pesquisa, como “matéria-prima” que é então moldada e transformada em teorias sociais por estudiosos externos. Como Raewyn Connell argumentou, isso promove o "imperialismo intelectual", pelo qual os legados do colonialismo são perpetuados, desconsiderando o conhecimento e as visões das populações marginalizadas. Terceiro, o conhecimento produzido por estudiosos externos é, por definição, limitado ao que eles foram treinados para procurar. Enquanto isso, o conhecimento e a criatividade dos moradores das favelas são silenciados, e o mundo em geral é incapaz de se beneficiar das idéias e perguntas que eles podem trazer. Se nós, como sociedade, desejamos entender melhor as populações marginalizadas, é fundamental que as vozes desses grupos sejam convidadas à construção do conhecimento.

 A fim de promover a inclusão dos moradores das favelas na produção de conhecimento, este projeto de pesquisa incorporou uma série de estratégias ao longo das várias fases do projeto. Estes são alguns dos mais significativos:

  1. As três primeiras fases do projeto foram lideradas por dois co-diretores: Anjuli Fahlberg, socióloga da Tufts University e Ricardo Fernandes, ativista, ator e diretor de um grupo de teatro na Cidade de Deus. Anjuli foi criada no Rio de Janeiro. Ela já trabalhou como voluntária em projetos sociais e realiza pesquisas etnográficas na Cidade de Deus desde 2014. Ricardo foi criado na Cidade de Deus e tornou-se conhecido em todo o bairro quando trabalhou como repórter da TV Globo, produzindo notícias sobre questões culturais na vizinhança. Ele também co-fundou uma ONG que ensina teatro aos jovens e está ativamente engajado em outras iniciativas sociais em todo o bairro. 

Todas as decisões sobre o projeto de pesquisa foram tomadas em colaboração entre Anjuli e Ricardo. Anjuli contribuiu com seu conhecimento de projeto de pesquisa e análise de dados e Ricardo forneceu informações sobre o bairro, como executar uma pesquisa acadêmica em um contexto de informalidade e insegurança e como garantir a participação significativa de moradores locais de diferentes raças, gêneros, classes e sub-áreas geográficas do bairro.

  1. Os moradores locais desempenharam um papel ativo em cada etapa do processo. Os tópicos da pesquisa foram desenvolvidos depois que Ricardo e Anjuli realizaram cinco grupos focais nas sub-regiões da Cidade de Deus e publicaram uma discussão na popular página do Facebook CDD Acontece. Foi pedido aos moradores que discutissem quais questões eram de interesse para eles. As questões de desenvolvimento social, insegurança e resiliência foram as mais populares. Essas contribuições foram então transformadas em perguntas da pesquisa. Um grupo de 20 moradores ajudou a revisar, excluir e adicionar perguntas à pesquisa até que ela refletisse uma ampla gama de interesses e preocupações.

 Recrutamos, treinamos contratamos quinze moradores para operar a pesquisa - de diversas raças, idades, níveis de formação educacional e residentes de áreas variadas do bairro: forneceram informações críticas sobre como lidar com aspectos de segurança e gestão de risco de conflitos armados. Eles também ofereceram sugestões no que se refere à abordagem dos moradores e sobre como obter uma amostra o mais diversificada e aleatória possível. Todas as idéias foram levadas em consideração, discutidas em grupo e incorporadas ao estágio de coleta de dados. E quase 1.000 moradores contribuíram como entrevistados.

  1. O conhecimento foi produzido coletivamente. Enquanto Anjuli e Ricardo ajudaram a organizar e liderar a equipe, muitos outros moradores desempenharam um papel relevante no projeto. Um morador local, Deko, criou um panfleto para divulgar as interpretações preliminares do banco de dados. A equipe de pesquisa distribuiu folhetos para 3.000 moradores. Outra moradora, Mirian Andrade, fez um site com os dados. Os membros da equipe apresentaram as descobertas às ONGs do bairro e dezenas de moradores e ativistas de áreas vizinhas participaram da análise dos dados. Eles também ofereceram sugestões de como divulgar os resultados. Por fim, outra moradora, a antropóloga Viviane Potiguara, realizou análise do banco de dados e escreveu o relatório final da pesquisa. Em outras palavras, os moradores locais desempenharam um papel central no desenvolvimento do projeto e na determinação do que deveria ser pesquisado e como os dados deveriam ser interpretados. Agora estamos em processo de produzir e publicar artigos em coautoria a partir da análise dos dados - que, como já chamamos a atenção, refletem a contribuição chave e prioridades no campo de pesquisa em ciências sociais dos membros da equipe e de outros moradores locais.
  2. Todos os membros da equipe foram pagos pelo seu trabalho. Muitos moradores de favelas operam com renda muito baixa e, como todos nós, precisam de meios financeiros para sustentar a si mesmos e suas famílias. O compromisso desse projeto era pagar a todos os moradores de maneira justa pelo seu papel, a fim de garantir que o tempo gasto no projeto não prejudicasse outras possibilidades de emprego e também reconhecesse o valor de seu trabalho. O projeto foi contemplado com doações destinadas à pesquisa da Northeastern University, da Tufts University e da American Sociological Association.

 

Conclusões da pesquisa

Nesta seção, identificamos brevemente o que os membros da equipe coordenadora da pesquisa consideraram alguns dos pontos mais relevantes da pesquisa:

  •  Desigualdades raciais: Nossos resultados mostraram que 49% dos participantes se identificaram como negros. Isso é cinco vezes a média nacional. Suspeitamos que essa disparidade se deva a duas razões. Primeiro, as favelas foram fundadas pelos descendentes de escravos que tiveram acesso negado a empregos bem remunerados e moradia formal. Portanto, há mais pessoas com ascendência africana nas favelas do que no resto da cidade. Segundo, mais pessoas que poderiam vir a se identificar como pardas ou brancas estão escolhendo se identificar como negras por causa de sua associação com uma história compartilhada e um projeto político focado em resistência e emancipação. 
     

Significativamente, as pessoas que se identificaram pretas eram duas vezes mais propensas a viver em condições de extrema pobreza e tinham mais chances de serem revistados à força pela polícia. Ao mesmo tempo, pessoas pretas eram duas vezes mais propensos a se voluntariar em ONGs, o que sugere que a experiência de pobreza e violência também podem fortalecer a dedicação a comunidade

  • Os custos da insegurança: Muitos dos moradores, em nossos grupos focais, apontaram sobre como a rotina de tiroteios constantes afeta seu bem-estar e oportunidades de educação e emprego. Particularmente notáveis ​​foram os impactos da insegurança na saúde mental, afetando os moradores em 77% das famílias. Metade de todas as famílias relatou pelo menos três problemas diferentes de saúde mental, como ansiedade, desespero, medo, estresse e pressão alta. Também críticos foram os fechamentos de escolas. Em 2016, 88% das crianças faltaram à escola devido a tiroteios e  71% faltou à escola devido à ausência de professores - em muitos dos casos como consequência dos conflitos armados.
  • Consequências para a saúde: Muitas pessoas lutam para obter cuidados médicos adequados. Metade das famílias tinha pelo menos um residente em uma lista de espera para um procedimento médico no Sistema Único de Saúde, e o tempo médio de espera era de dois anos no período de realização da pesquisa. Um terço dos participantes teve uma avaliação médica onde o  diagnóstico foi feito apenas se olhando para o paciente, mas sem fazer perguntas ou tocar no paciente. Em 39% dos casos, o problema médico piorou após o tratamento. Apenas 14% dos entrevistados possuíam seguro de saúde privado.
  • As pessoas estão se saindo bem: nossa pesquisa capturou muitas das estratégias que as pessoas usam para lidar com as barreiras de desenvolvimento nas favelas. Isso inclui tratar-se por conta própria, ajudar outras pessoas a encontrar empregos, consertar infraestrutura pública, ser voluntário em ONGs locais e contatar políticos. Mais de metade dos pesquisados (62%) tinham prestado ajuda para sua comunidade de alguma forma.

 

Lições sobre o uso do PAP nas favelas

Gostaríamos de concluir oferecendo algumas reflexões sobre as lições que aprendemos ao implementar uma abordagem PAP na Cidade de Deus:

  1. Os dados estão melhores. Pode ser muito difícil entrar nas favelas devido a tiroteios e outros problemas de segurança. Pesquisadores externos nem sempre podem ter permissão para entrar no bairro. Pesquisadores residentes tem melhores condições para coletar dados, porque possuem um conhecimento crítico sobre como as coisas funcionam e como lidar com situações de tensão. Eles também têm uma melhor compreensão de quais questões são importantes para o bairro e como perguntar aos entrevistados de modo a facilitar a compreensão. Finalmente, pesquisadores residentes mantêm contatos importantes com os líderes do bairro e podem obter permissão para realizar pesquisas quando os estrangeiros não puderem. Por todas essas razões, cabe a pesquisadores externos convidar os residentes para sua equipe e trabalhar em colaboração com eles na elaboração e implementação de estudos.
  2. A análise é mais "objetiva". Uma pergunta de longa data na pesquisa em ciências sociais é "Como sabemos o que sabemos?" Em outras palavras, o que torna algo "verdadeiro" e como chegar a essa verdade? Ninguém - fora ou dentro das favelas - sabe mais do que qualquer outra. Cada um de nós traz nossas experiências, preocupações, interesses e preconceitos às nossas visões de mundo. Mas quando pesquisadores e membros da população pesquisada trabalham juntos para criar conhecimento, as idéias e análises que eles geram representam uma conversa entre essas diferentes perspectivas. Eles refletem uma verdade que constitui mais do que qualquer experiência. É através desse trabalho em equipe que podemos identificar o que é relevante estudar, como pesquisar e como interpretar as informações.
  3. Existe um custo financeiro. Nenhum projeto de pesquisa pode ser conduzido sem apoio financeiro. No mínimo, o pesquisador precisa ser capaz de suprir as necessidades básicas para sobreviver enquanto conduz sua pesquisa. Obviamente o mesmo vale para pesquisadores residentes em favelas que assumem papéis vitais no processo. Eles não apenas merecem ser remunerados por seus esforços, mas o bem-estar deles e de suas famílias depende de sua capacidade de gerar renda. Muitas vezes, as populações pobres são convidadas a participar de comitês ou de projetos como voluntários. Mas isso apenas reproduz suas condições de marginalidade. Um projeto do PAP deve garantir que quaisquer fundos existentes para o projeto sejam distribuídos adequadamente de acordo com as habilidades, tempo e contribuições dos moradores para o projeto. Isso, no entanto, requer fontes externas de financiamento, que nem todos os acadêmicos podem acessar.
  4. É desafiador reduzir a desigualdade no que se refere a relações de poder. Embora uma abordagem do PAP à pesquisa esteja comprometida em nivelar as desigualdades nas relações de poder entre pesquisadores externos e membros de comunidades marginalizadas, não é possível eliminá-las completamente. Enquanto vivermos em sociedades caracterizadas por raça, classe, gênero e outras formas de desigualdade, os membros da equipe nem sempre se beneficiarão igualmente da pesquisa. Em nossa experiência, pesquisadores externos mantiveram, em alguns casos, maior acesso a financiadores privados e a organizações internacionais de pesquisa e meios de comunicação, que poderiam ser aproveitados para atrair atenção e recursos para o projeto. Além disso, quando alguns membros da equipe têm outros tipos de emprego primário, a participação no projeto de pesquisa assume um papel secundário. Embora isso não seja inerentemente injusto, significa que os pesquisadores formais têm mais tempo para investir no projeto do que aqueles cujas principais responsabilidades profissionais estão em outro lugar. Por fim, é importante observar que existem  desigualdades entre os moradores das favelas, em relação à raça, gênero e renda, entre outros. Sugerimos que é importante fazer o possível para minimizar as relações de desigualdade, reconhecendo também que mesmo estudiosos profundamente comprometidos com o PAP não serão capazes de desfazer séculos de capitalismo, colonialismo e patriarcado.

 

Para mais informações, visite nosso site: www.construindojuntos.com

 

  1. Valladares, Lícia. 2005. A Invenção da Favela: Do mito de origem a favela.com. Editora FGV.