Instituto Raízes em Movimento

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa

O Instituto Raízes em Movimento é uma organização não governamental sediada no bairro do Complexo do Alemão e criada no ano de 2001. Desde então, tem como missão: a promoção do desenvolvimento humano, social e cultural do Complexo do Alemão, através da participação de atores locais como protagonistas dos processos.

Ao longo desses quase vinte anos, várias foram as estratégias encontradas para realização desta missão. Desde o engajamento com outros coletivos locais em lutas diversas, como: a implementação do Conselho de Saúde do Complexo do Alemão (CONSA), que tomou forma na abertura do C.M.S do Alemão, localizado no “pé” da Avenida Central, oferecendo serviços básicos de à população local; o Comitê de Desenvolvimento Local da Serra da Misercórdia (CDLSM), organizado para defender a preservação Ambiental do quarto maior maciço urbano da cidade do Rio de Janeiro - um dos frutos dessa mobilização foi sua transformação em uma Área de Proteção Ambiental e Recuperação Urbana (APARU); posteriormente, o CDLSM transformou-se no Comitê de Monitoramento das obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) no Complexo do Alemão, responsável pela fiscalização das obras e por garantir a participação popular no processo; ainda no âmbito do PAC, o Raízes em Movimento passou a integrar a gestão do Trabalho Técnico Social do PAC, responsável por desdobrar essa mediação com a população.

Por outro lado, essa trajetória é marcado pelas ações individuais, com parcerias pontuais. A primeira ação substantiva do Raízes foi o Tintarte, entre 2002 e 2003, uma atividade de formação em grafite e direitos humanos, em parceria com o CIEDS - Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS. Em 2007 começou a realizar a atividade que mais marcante e identificada com a instituição, o Circulando – Diálogo e comunicação na Favela, realizado desde então com regularidades distintas, assumiu a periodicidade anual em 2010 e em 2018 será realizada sua décima quarta edição. Realizado inicialmente em parceria com o Observatório de Favelas, trata-se de um grande festival de artes em um dia no qual o Complexo do Alemão é ocupado com arte, cultura, conhecimento e memória: música, fotografia, cinema, teatro, poesia; mas também atividades infantis, debates, lançamentos de publicações etc. É uma ação na qual o Raízes “presta contas” com a comunidade sobre sua ação ao longo do ano.

Recentemente, o Raízes em Movimento tem como objetivo discutir e disputar a cidade a partir das experiências vividas no Complexo do Alemão, situando e qualificando o lugar específico de fala, isto é, um referencial periférico, e de ações organizadas em dois eixos: a comunicação e a produção de conhecimento. No primeiro caso, a partir de uma comunicação crítica e da cultura; no segundo, através de articulação com os saberes acadêmicos e o resgate da memória local.De modo que as metodologias desenvolvidas e produtos realizados possam ser replicados para outros espaços periféricos, do Brasil e do mundo.

Essa atuação toma forma em dois programas: O Circulando e o CEPEDOCA (Centro de Pesquisa, Documentação e Memória do Complexo do Alemão). O primeiro focado na comunicação, composto pelo Circulando (festival) e pelo favela.doc – o braço audiovisual do Raízes -, que realiza o cineclube Raízes (que surgiu no seio do Adubando Raízes Locais) e produziu dois documentários, um chamado “Copa pr’Alemão Ver” e o “Quando você chegou meu santo já tava” , sobre as religiões de matriz africana no bairro do Complexo do Alemão.

O CEPEDOCA é o braço de memória e conhecimento e toma forma em um série de atividades como: a realização de cursos de extensão - como o Raízes Locais (em parceria com a UFRJ) e o Olhares Periféricos (com o IESP/UERJ); o Vamos Desenrolar – Oficina de Produção de Memória e Conhecimento, na qual especialistas e moradoras/es compõem uma mesa que dinamiza um debate de temas previamente definidos a partir da discussão local; a produção da publicação “Complexo do Alemão: uma bibliografia comentada”, com um levantamento sobre tudo que já havia sido produzido sobre o bairro; a montagem de um acervo histórico; o fórum “Coletivo de Pesquisadores em Movimento”, uma rede de acadêmicas/os que são acionados para contribuir com o Raízes e o CEPEDOCA de acordo com as ações que foram sendo realizadas; e construção do portal do virtual do CEPEDOCA (www.cepedoca.org), no qual as atividades produzidas são difundidas. O CEPEDOCA que existia como ideia desde o início da década de 2010, se materializou a partir de 2016 com o apoio do Deputado Federal Jean Wyllys e em parceria com a UFRJ.

Cabe citar ainda no âmbito do CEPEDOCA duas publicações: “vida social e política nas favelas: pesquisas de campo no Complexo do Alemão”, produzido em parceria com o IPEA e pelas/os pesquisadoras/es que fazem parte do Coletivo de Pesquisadores em Movimento; e “A praça pr’Alemão ter”, que registra um mutirão realizado em 2015 com alunas/os do curso de arquitetura da UFRJ ministrado por Pablo Benetti e Solange Carvalho, para construção da Praça Verde do Alemão. A prática do mutirão foi reproduzido por dois anos seguidos em espaços distintos do Morro do Alemão, um dos quais, a “escada do amor”, que também contou com o apoio do “Permanências e Destruições” foi selecionado para ser exposto no Museu do Amanhã na internacional Designing Respect.