Rene Silva, cria do Alemão

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Revisão de 00h48min de 11 de agosto de 2020 por Gabriel (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Por Tatiana Lima/Núcleo Piratininga de Comunicação

ReneSilva.jpg

Cria do Morro do Alemão, Rene Silva dos Santos, 27 anos, negro, favelado e líder comunitário, é considerado uma das vozes mais representativas do Complexo do Alemão. Mas, não só! Ele também foi listado pela revista Forbes de 2015 como um dos 30 mais influentes jovens brasileiros de até 30 anos. Em 2018, ainda foi considerado um dos 100 negros com menos de 40 anos mais influentes do mundo pela organização Mipad (Most Influential People of African Descent, ou Afro descendentes mais influentes, em português), de Nova York. Mas, como um jovem do Complexo do Alemão se tornou um dos jovens mais influentes do mundo?

Início da Jornada

Tudo começou quando Rene tinha 11 anos e estudava na escola municipal Alcide Gasperi. Lá existia um Grêmio Estudantil onde estudantes produziam um programa de rádio e editavam um jornal para falar de cultura, de eventos mas também dos problemas da própria escola. Rene pediu para colaborar, porém a diretora da escola explicou que apenas jovens a partir dos 13 anos podiam participar do Grêmio e, consequentemente, do projeto do jornal. Ele não desistiu. Após muita insistência, a diretora permitiu que Rene integrasse a equipe.

Nesta experiência, ele percebeu que o jornal, além de comunicar e informar, também servia como instrumento de pressão sobre autoridades públicas. Com a publicação das reivindicações no jornal, os problemas da escola eram resolvidos muito mais rápido se comparados aos de outros estabelecimentos. Foi quando ele teve a ideia de criar um jornal que falasse dos problemas que sua comunidade enfrentava, com os meios de que dispunha: impressões na copiadora da escola e uma resma de papel A4. Ele conseguiu imprimir 100 exemplares do Voz da Comunidade, de quatro páginas, distribuído no Morro do Adeus de porta em porta. A pauta do jornal era elaborada conversando com moradores e seu objetivo era dar voz à comunidade, de acordo com Rene. A primeira edição saiu em 15 de agosto de 2005.

Rene foi atrás de anunciantes para manter e expandir o jornal — isso, ainda quando tinha apenas 12 anos. O objetivo era agora imprimir uma tiragem ainda maior. A relação com os comerciantes era difícil, conta Rene, pois muitos duvidavam de sua iniciativa e se perguntavam se o jornal iria mesmo ser publicado. Afinal, quem comandava o jornal era apenas um garoto. Foi então que ele desenvolveu um método de “negócios”. Acertava a venda do anúncio, mas o comerciante só pagava após ter o anúncio publicado no jornal.

No livro Experiências em Comunicação Popular no Rio de Janeiro, organizado pela jornalista Claudia Santiago Giannotti, ele conta um episódio que mostra as dificuldades de se fazer comunicação comunitária em favelas. Certa feita, na seção de telefones úteis, ele publicou o número da polícia. Recebeu um aviso do presidente da associação de moradores para apagar a informação. Na época, o jornal já tinha uma tiragem de mil cópias.

Paralelamente ao jornal, Rene também promovia ações sociais no Morro do Adeus, como a campanha das cestas básicas, por exemplo. Ele cadastrou moradores que passavam necessidade, e promoveu a distribuição de cestas básicas compradas através de doações e parcerias com supermercados. A campanha fez tanto sucesso, distribuindo 120 cestas básicas, que lhe rendeu uma matéria no RJTV da Rede Globo. Assim, o jornal comunitário criado por uma criança de apenas 11 anos e suas ações sociais de solidariedade chamaram atenção não apenas da comunidade, mas também da mídia. Em 2009, Rene Silva já com 16 anos, ficou nacionalmente conhecido pela reportagem produzida pelo jornal O Globo com a manchete “Tuiteiro do Alemão”. Com o sucesso da campanha, ele passou também a arrecadar alimentos para distribuições de cestas na Páscoa e no Dia das Mães.

Pacificação do Complexo do Alemão e Twitter

Rene Silva ganhou visibilidade nacional e passou a ser “A Voz do Alemão” durante a “pacificação” do Complexo do Alemão, quando a favela foi ocupada por forças do Exército Brasileiro, Polícia Civil, Polícia Militar e Polícia Federal. Com a megaoperação, ele se pôs a usar sua conta no Twitter para divulgar em tempo real detalhes da operação de dentro do Morro do Adeus, servindo de fonte para os principais jornais do país. A conta de Rene e do seu jornal no Twitter tinham sido criadas em 10 de maio de 2009.

De acordo com Rene, ele estava publicando as informações para conversar com amigos e informar os moradores, mas o número de seguidores de sua conta passou de 300 para mais de 10 mil pessoas em menos uma hora. O mesmo aconteceu com o perfil no Twitter do jornal Voz da Comunidade. Na época, sua família — que soube pela TV que Rene estava tuitando a invasão do Complexo do Alemão —, além dos amigos, preocuparam-se com sua exposição na mídia. Durante a cobertura, jornalistas o aconselharam a postar somente pelo perfil do jornal.

“Eu liguei a tevê e vi a Globonews falando do twitter @vozdacomunidade e me assustei: “Gente, como assim? Acabei de falar aqui no twitter e já está na tv? Foi muito rápido essa parada”, lembra. “Fiquei preocupado por conta da segurança, mas correu tudo bem”, conta Rene nas duas palestras que fez no TED Talks disponíveis no Youtube, em 2015 e em 2018.

Surge assim a história do jovem que, além de criar um jornal na comunidade, passou a informar toda imprensa nacional e internacional — e até mesmo corrigi-la quando preciso. Pela manhã, às 8h, Rene acordou com diversos jornalistas a sua porta perguntando qual tinha sido o planejamento para cobertura da “Guerra do Alemão”. O adolescente de 17 anos, à época, respondeu que não havia nenhum. Os jornalistas descobriram onde ele morava pelo blog http://renesilvasantos.blogspot.com/ que Rene tinha criado também em 2005. Lá tinha todos os dados pessoais dele!

Aos 19 anos, Rene publicou seu primeiro livro junto com a jornalista Sabrina Abreu chamado “A Voz do Alemão” pela editora NVersos. Ele também foi convidado a ministrar palestras em congressos e universidades, como a Universidade de Harvard. Com toda a visibilidade que conquistou, o jornal Voz da Comunidade se tornou uma fonte fidedigna de notícias, muitas vezes até retificando as notícias sensacionalistas que publicadas sobre o local pela mídia.

Rene recebeu o prêmio Shorty Awards, considerado o Oscar do Twitter. Carregou a tocha olímpica na cidade de Liverpool na véspera dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. Foi citado pelo The Guardian como um dos seis jovens que devem mudar o mundo. Participou de uma campanha publicitária “Novos Líderes” do Projeto Sunlight da Unilever, gravado na Índia em 2014, onde outros sete adolescentes influentes de diferentes lugares do mundo também estavam. Enfim, firmou-se como uma das vozes mais relevantes da sua geração nas comunidades do Rio de Janeiro.

Diariamente, Rene se comunica com mais de 300 mil pessoas por meio de suas redes sociais e do portal do jornal, que agora se chama a Voz das Comunidades (e não mais da Comunidade). Rene também foi apadrinhado por celebridades como Preta Gil, Luciano Huck — que forneceu computador e montou a primeira redação do jornal — e serviu de inspiração para autora Gloria Perez, da TV Globo, ao escrever a novela Salve Jorge. Enquanto as gravações não começavam, ele deu palestras no Projac e passou a ciceronear os atores no Morro do Alemão.

Em 2017, a Voz das Comunidades passou a ter uma tiragem de 10 mil exemplares, com 24 páginas coloridas publicando reportagens de colaboradores das favelas da Kelson, do Boréu, Formiga, Cantagalo, Pavão/Pavãozinho, Cidade de Deus, Fumacê, Vila Kennedy, da Penha, além das do Complexo do Alemão.

Família

Rene Silva é filho de um gari comunitário e da faxineira carioca Cristina Silva. Seu pai morreu de cirrose aos 33 anos em consequência alcoolismo — quando Rene tinha apenas 6 anos. O jovem tem dois irmãos, Raquel e Renato Moura. Seu irmão também atua no jornal e hoje é o chefe de redação da Voz das Comunidades, além de ser um talentoso fotógrafo. Em entrevista a Revista Gol, ele lembra que sua mãe era costureira no Adeus e, quando estava grávida do irmão de Rene, ficou sem trabalho por conta de um acidente que a deixou sem o movimento de um braço. “Nessa época, meus pais tinham se separado e, ele, alcoólatra, não ajudava. Só não passamos fome porque meus avós sempre colaboraram”. Com o novo casamento da mãe, Rene passou a sofrer violência doméstica por parte do padrasto e decidiu morar com sua avó, Dona Nancy, no Morro do Adeus.

A Voz das Comunidades

Atualmente, Rene Silva dos Santos é presidente da ONG Voz das Comunidades e editor-chefe do jornal Voz das Comunidades, veículo que circula mensalmente em 10 favelas do Rio de Janeiro, com tiragem de 15 mil exemplares. O jornal conta com uma equipe de 18 jornalistas, 12 colunistas, 15 produtores de eventos, 25 correspondentes de diferentes comunidades do Rio e mais de 100 outros voluntários, que atuam nas ações sociais realizadas pela organização, tais como Páscoa, Dia das Crianças e Natal. A página do jornal no Twitter tem mais de 378 mil seguidores e a de Rene, cerca de 167 mil Hoje, o portal Voz das Comunidades expandiu. A linha editorial é a de promover uma visão humanizada, diferente do estigma das balas perdidas, carros de polícia e tanques do exército propagado por jornais brasileiros diariamente. Para Rene, o importante é mostrar os talentos da comunidade, além de reivindicar a solução de problemas sociais e de infraestrutura.