Mudanças entre as edições de "Resultados - Covid-19 nas favelas"

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa
(11 revisões intermediárias pelo mesmo usuário não estão sendo mostradas)
Linha 15: Linha 15:
  
 
= Resultados Parciais =
 
= Resultados Parciais =
<p style="text-align: justify;">No presente verbete, apresentamos os resultados da pesquisa de monitoramento do coronavírus nas favelas do Rio de Janeiro. Entre os dias 18 de junho de 06 de julho, 24 lideranças de favelas do Estado responderam. Dessas, a metade respondeu preenchendo direto o formulário disponibilizado (12 pessoas) e a outra metade respondeu por meio de intermediação de algum parceiro da ação (12 pessoas).&nbsp;</p> <p style="text-align: justify;">No que diz respeito a distribuição por municípios, a maioria dos respondentes foram da capital (21 pessoas), mas tivemos respostas de Duque de Caxias (01); São João de Meriti (01) e Itaguaí (01).&nbsp;</p> <p style="text-align: justify;">As favelas participantes foram:&nbsp;</p>  
+
<p style="text-align: justify;">No presente verbete, apresentamos os resultados da pesquisa de monitoramento do coronavírus nas favelas do Rio de Janeiro. Entre os dias 18 de junho de 06 de julho, 24 lideranças de favelas do Estado responderam. Dessas, a metade respondeu preenchendo direto o formulário disponibilizado (12 pessoas) e a outra metade respondeu por meio de intermediação de algum parceiro da ação (12 pessoas).&nbsp;</p> <p style="text-align: justify;">No que diz respeito a distribuição por municípios, a maioria dos respondentes foram da capital (21 pessoas), mas tivemos respostas de Duque de Caxias (01); São João de Meriti (01) e Itaguaí (01).&nbsp;</p> <p style="text-align: justify;">As favelas participantes foram:&nbsp;Providência; Jardim Gramacho; Rocinha (02);&nbsp;Comunidade do Engenho; Cidade de Deus (03); Complexo do Alemão (03);&nbsp;Manguinhos (04); Pereira da Silva; Nova holanda;&nbsp;Complexo da Penha; Morro do Timbau;&nbsp;Grupo Esperança (Jacarepaguá);&nbsp;Morro dos Macacos; Comunidade Trapicheiros (Tijuca); Indiana (Tijuca).</p>  
 
== Adesão ao isolamento social no território ==
 
== Adesão ao isolamento social no território ==
  
Linha 63: Linha 63:
  
 
<iframe key="googledocs" path="https://docs.google.com/spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1750326172&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="https://docs.google.com/spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1750326172&format=interactive"></iframe>
 +
 +
  
 
=== Higienização de retirada de corpos no território ===
 
=== Higienização de retirada de corpos no território ===
  
Moradores que responderam o questionário relataram haver muitos casos de pessoas adoecidas ou falecidas em suas favelas. Muitas pessoas indicaram haver dificuldade de remoção de cadáveres e de transferência de enfermos dos territórios em que moram para hospitais.
+
Moradores que responderam o questionário relataram haver muitos casos de pessoas adoecidas ou falecidas em suas favelas. Muitas pessoas indicaram haver dificuldade de remoção de cadáveres e de transferência de enfermos dos territórios em que moram para hospitais.&nbsp;Mais da metade dos moradores que responderam questionário apontam que há dificuldades com higienização de ruas, becos e casas com pessoas infectadas. Nos casos em que ela ocorre é feita na maior parte dos casos por Serviços de Saúde (08); Serviços de Saúde com moradores (08); Somente moradores (03). 05 participantes não sabiam quem fazia a retirada dos corpos.&nbsp;
 +
 
 +
==== Pessoas adoecidas ou mortas no território ====
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1599950605&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1599950605&format=interactive"></iframe>
 +
 +
==== Dificuldades da transferência de enfermos ====
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1883676338&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1883676338&format=interactive"></iframe>
 +
 +
==== Dificuldades na remoção de cadáveres ====
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=198728443&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=198728443&format=interactive"></iframe>
  
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=618897893&format=interactive"></iframe>
+
&nbsp;
 
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1975310041&format=interactive"></iframe>
 
  
 
=== Programas de apoio do governo ===
 
=== Programas de apoio do governo ===
Linha 93: Linha 99:
  
 
&nbsp;
 
&nbsp;
 +
 +
  
 
=== Ações Humanitárias (Apoio aos moradores) ===
 
=== Ações Humanitárias (Apoio aos moradores) ===
  
<span style="color:#e74c3c;">Debatemos sobre listar cada tipo de ação humanitária e descrever que algumas tem apoio de fora da favela.&nbsp;</span>
+
Quase todos os moradores que responderam o questionaram apontaram que há ações humanitárias sendo desenvolvidas em suas favelas. A metade dos participantes indicou que em seu território as ações são exclusivamente feitas por moradores (12 pessoas) e a outra metade é feita com apoio de instituições de fora (12 pessoas). 23 dos respondentes informaram que as ações eram voltadas para a entrega de cestas básicas e 21 informaram que há campanhas de comunicação comunitária acontecendo no seu território também.
 +
 
 +
&nbsp;
 +
 
 +
&nbsp;
 +
 
 +
<span style="color:#e74c3c;">&nbsp;</span>
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=771595397&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=771595397&format=interactive"></iframe>
 +
 +
  
 
=== Operações Policiais ===
 
=== Operações Policiais ===
 +
 +
Mais da metade dos moradores que responderam o questionário afirmaram que operações policiais ocorreram nas favelas que moram durante a pandemia. Alguns moradores relatam regularidade nas ações do tráfico e das milícias nos territórios também.
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1646747745&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1646747745&format=interactive"></iframe>
 +
  
 
=== Perda de renda em função da pandemia ===
 
=== Perda de renda em função da pandemia ===
 +
 +
As respostas sobre impactos sociais da pandemia aponta que um enorme número de moradores perdeu renda nas favelas. Entre os entrevistados, 21 moradores apontaram que pessoas estão tendo dificuldade de se alimentar nas favelas onde vivem.
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1760083817&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1760083817&format=interactive"></iframe>
Linha 111: Linha 132:
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=801736802&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=801736802&format=interactive"></iframe>
 +
 +
  
 
=== Violência ===
 
=== Violência ===
 +
 +
Mais pessoas relataram saber da ocorrência de casos de violência contra mulher do que contra crianças durante a pandemia. Ainda sobre crianças, 20 moradores responderam há dificuldades de acompanhar o ano letivo por parte dos estudantes.
 +
 +
==== Ocorrência de violência contra mulher ====
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1901889281&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1901889281&format=interactive"></iframe>
 +
 +
==== Ocorrência de violência contra crianças e jovens ====
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1914468723&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1914468723&format=interactive"></iframe>
  
=== Educação ===
+
 
 +
=== Dificuldade de acompanhar o ano letivo por parte dos estudantes ===
  
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1909440328&format=interactive"></iframe>
 
<iframe key="googledocs" path="spreadsheets/d/e/2PACX-1vRmqFoAsIvCQykDd-WocQy8mifmL8M75f4GCKRjYWWuqKDpq62YE_R7m5sXX75UDCojJqtfFVpT8zPj/pubchart?oid=1909440328&format=interactive"></iframe>
Linha 124: Linha 154:
 
= Considerações Finais =
 
= Considerações Finais =
 
<p style="text-align: justify;">Analisando os primeiros resultados do levantamento local em curso, torna-se latente o quadro de agravamento das condições de vida nos territórios populares. A precariedade de acesso à infraestrutura urbana que se dá historicamente nas favelas e periferias cariocas ganha novas projeções neste momento em que o acesso a água é essencial aos cuidados com a higienização. Para além dos cuidados domésticos, a higienização dos espaços de uso coletivo seguem sendo uma demanda e tem encontrado nas ações locais populares suas soluções mais efetivas frente à pouca expressividade das iniciativas do poder público. A grande dificuldade de inclusão nos programas emergenciais de auxílios financeiros governamentais refletem o acesso restrito de uma parcela significativa da população às plataformas digitais e diversos outros problemas das políticas para chegarem às populações mais vulneráveis. Essa situação soma-se à grande parcela das famílias que perdeu renda nesse período de pandemia e acaba colocando em destaque a fome como um dos principais problemas sociais nos territórios. Com isso, as redes de solidariedade locais tornaram-se essenciais e as ações de distribuição de cestas básicas ganham protagonismo, presentes na grande maioria dos territórios consultados e promovidas por organizações locais, por vezes em parceria com entidades externas.</p>   
 
<p style="text-align: justify;">Analisando os primeiros resultados do levantamento local em curso, torna-se latente o quadro de agravamento das condições de vida nos territórios populares. A precariedade de acesso à infraestrutura urbana que se dá historicamente nas favelas e periferias cariocas ganha novas projeções neste momento em que o acesso a água é essencial aos cuidados com a higienização. Para além dos cuidados domésticos, a higienização dos espaços de uso coletivo seguem sendo uma demanda e tem encontrado nas ações locais populares suas soluções mais efetivas frente à pouca expressividade das iniciativas do poder público. A grande dificuldade de inclusão nos programas emergenciais de auxílios financeiros governamentais refletem o acesso restrito de uma parcela significativa da população às plataformas digitais e diversos outros problemas das políticas para chegarem às populações mais vulneráveis. Essa situação soma-se à grande parcela das famílias que perdeu renda nesse período de pandemia e acaba colocando em destaque a fome como um dos principais problemas sociais nos territórios. Com isso, as redes de solidariedade locais tornaram-se essenciais e as ações de distribuição de cestas básicas ganham protagonismo, presentes na grande maioria dos territórios consultados e promovidas por organizações locais, por vezes em parceria com entidades externas.</p>   
[[Category:Temática - Coronavírus]][[Category:Temática - Pesquisas]]
+
[[Category:Temática - Coronavírus]] [[Category:Temática - Pesquisas]]

Edição das 19h03min de 30 de julho de 2020

Relatório Parcial de Monitoramento do Questionário

[Rio de Janeiro, 25 de julho]

Sobre a Pesquisa

Articulação de redes e entidades pelo Combate ao Covid-19 nas favelas e periferias do Rio de Janeiro

Junto a uma articulação nacional de organizações sociais comprometidas com as lutas urbanas e o direito à cidade, o Observatório das Metrópoles tem buscado dar visibilidade aos impactos da pandemia de COVID-19 nos territórios populares e entre os grupos em situação de maior vulnerabilidade social, além de potencializar iniciativas locais já em curso e apoiar ações de incidência política pela garantia de direitos humanos. 

Como parte desta rede, o Núcleo Rio de Janeiro do Observatório das Metrópoles tem buscado fortalecer essas ações a partir da realidade das favelas e periferias da região metropolitana do Rio de Janeiro em meio à crise imposta pela pandemia. Para isso, temos trabalhado de forma conjunta com entidades parceiras que têm dedicado grandes e reconhecidos esforços nesse sentido, como o Dicionário de Favelas Marielle Franco e o núcleo Rio de Janeiro do Br Cidades. 

Para acompanhar e monitorar esse cenário tem sido utilizado um questionário com perguntas chaves por meio do qual reunimos informações sobre os territórios populares e os principais impactos da COVID. Ele pode ser respondido de forma autônoma e com a garantia do sigilo das informações mais sensíveis, evitando a exposição dos respondentes e abrindo um espaço de acolhimento a denúncias que podem ser encaminhadas a entidades parceiras como a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro. 

As informações levantadas poderão ser consultadas ainda por meio do Dicionário de Favelas Marielle Franco. Além de dar visibilidade aos impactos da pandemia nos territórios populares e subsidiar ações de incidência, a exposição dos resultados nessa plataforma vai se somar aos esforços já em curso do Dicionário de reunir informação sobre formas de apoiar iniciativas comunitárias durante a pandemia, notícias, material produzido pela e para favelas, relatos de moradores, ensaios e pesquisas acadêmicas sobre o novo coronavírus nas favelas do Brasil. 

A consolidação das informações para as favelas e periferias da Região Metropolitana do Rio de Janeiro alinha-se à Articulação Nacional de Redes e Entidades da Sociedade Civil pelo combate ao Covid-19 nas Periferias e Grupos Vulnerabilizados na consolidação de informações e produção de boletins que jogam luz sobre essas questões e nos permite compreender o cenário local frente a um panorama nacional. Desta rede nacional fazem parte o Fórum Nacional de Reforma Urbana, o BR Cidades, o Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), o Observatório dos Direitos à Água e ao Saneamento (ONDAS), a Rede Observatório das Metrópoles, federações profissionais, ONGs e movimentos populares nacionais, entre outras redes e articulações. 

Para acessar o link do QUESTIONÁRIO que pode ser preenchido por todas e todos: CLIQUE AQUI (https://forms.gle/86DRESdm26grmPSk8)

Para entrar em contato: pandemia.favelas.rio@gmail.com

Resultados Parciais

No presente verbete, apresentamos os resultados da pesquisa de monitoramento do coronavírus nas favelas do Rio de Janeiro. Entre os dias 18 de junho de 06 de julho, 24 lideranças de favelas do Estado responderam. Dessas, a metade respondeu preenchendo direto o formulário disponibilizado (12 pessoas) e a outra metade respondeu por meio de intermediação de algum parceiro da ação (12 pessoas). 

No que diz respeito a distribuição por municípios, a maioria dos respondentes foram da capital (21 pessoas), mas tivemos respostas de Duque de Caxias (01); São João de Meriti (01) e Itaguaí (01). 

As favelas participantes foram: Providência; Jardim Gramacho; Rocinha (02); Comunidade do Engenho; Cidade de Deus (03); Complexo do Alemão (03); Manguinhos (04); Pereira da Silva; Nova holanda; Complexo da Penha; Morro do Timbau; Grupo Esperança (Jacarepaguá); Morro dos Macacos; Comunidade Trapicheiros (Tijuca); Indiana (Tijuca).

Adesão ao isolamento social no território

O comparativo indica diferenças na adesão entre crianças, jovens, adultos e idosos no período pesquisado. Ajustar o gráfico - A ideia é ter um gráfico de barras unificado, mostrando na barra a quantidade de isolamento que todas as faixas etárias tiveram. Gráfico de barras com 1 barra por faixa etária. 


 

 

Situação dos serviços públicos

Ainda que os dados apontem uma existência muito grande de irregularidades no fornecimento dos serviços, os moradores relatam que há tentativa das empresas de regularizar o serviço na maior parte dos casos. Importante salientar que as recomendações sanitárias internacionais indicam que higiene individual e coletiva é um forte aliado para o combate ao vírus e, em muitas favelas, há irregularidade na coleta de lixo e abastecimento de água, inviabilizando o cumprimento do que é recomendado.

Situação do abastecimento de água no território

Situação do fornecimento de luz no território

Situação da coleta de lixo no território

Serviços de Saúde

Muitas lideranças de diferentes favelas relataram que o serviço de saúde está irregular. Mais pessoas tiveram acesso à UPA do que à Unidade Básica de Saúde.

Atendimentos na Unidade Básica de Saúde

Atendimentos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA)

Serviços Locais

As respostas indicaram um padrão de funcionamento mais estruturado dos serviços locais nas favelas, o que inclui o comércio local e os serviços de mototáxi e vans.

Sobre o funcionamento do Comércio Local:

Sobre o funcionamento dos serviços de mototáxi e vans:


Higienização de retirada de corpos no território

Moradores que responderam o questionário relataram haver muitos casos de pessoas adoecidas ou falecidas em suas favelas. Muitas pessoas indicaram haver dificuldade de remoção de cadáveres e de transferência de enfermos dos territórios em que moram para hospitais. Mais da metade dos moradores que responderam questionário apontam que há dificuldades com higienização de ruas, becos e casas com pessoas infectadas. Nos casos em que ela ocorre é feita na maior parte dos casos por Serviços de Saúde (08); Serviços de Saúde com moradores (08); Somente moradores (03). 05 participantes não sabiam quem fazia a retirada dos corpos. 

Pessoas adoecidas ou mortas no território

Dificuldades da transferência de enfermos

Dificuldades na remoção de cadáveres

 

Programas de apoio do governo

Há conhecimento das ações do governo?

Há dificuldades no acesso às ações do governo?

Existência de ameças de remoção ou despejo

 


Ações Humanitárias (Apoio aos moradores)

Quase todos os moradores que responderam o questionaram apontaram que há ações humanitárias sendo desenvolvidas em suas favelas. A metade dos participantes indicou que em seu território as ações são exclusivamente feitas por moradores (12 pessoas) e a outra metade é feita com apoio de instituições de fora (12 pessoas). 23 dos respondentes informaram que as ações eram voltadas para a entrega de cestas básicas e 21 informaram que há campanhas de comunicação comunitária acontecendo no seu território também.

 

 

 


Operações Policiais

Mais da metade dos moradores que responderam o questionário afirmaram que operações policiais ocorreram nas favelas que moram durante a pandemia. Alguns moradores relatam regularidade nas ações do tráfico e das milícias nos territórios também.


Perda de renda em função da pandemia

As respostas sobre impactos sociais da pandemia aponta que um enorme número de moradores perdeu renda nas favelas. Entre os entrevistados, 21 moradores apontaram que pessoas estão tendo dificuldade de se alimentar nas favelas onde vivem.

Dificuldades de se alimentar no território


Violência

Mais pessoas relataram saber da ocorrência de casos de violência contra mulher do que contra crianças durante a pandemia. Ainda sobre crianças, 20 moradores responderam há dificuldades de acompanhar o ano letivo por parte dos estudantes.

Ocorrência de violência contra mulher

Ocorrência de violência contra crianças e jovens


Dificuldade de acompanhar o ano letivo por parte dos estudantes

Considerações Finais

Analisando os primeiros resultados do levantamento local em curso, torna-se latente o quadro de agravamento das condições de vida nos territórios populares. A precariedade de acesso à infraestrutura urbana que se dá historicamente nas favelas e periferias cariocas ganha novas projeções neste momento em que o acesso a água é essencial aos cuidados com a higienização. Para além dos cuidados domésticos, a higienização dos espaços de uso coletivo seguem sendo uma demanda e tem encontrado nas ações locais populares suas soluções mais efetivas frente à pouca expressividade das iniciativas do poder público. A grande dificuldade de inclusão nos programas emergenciais de auxílios financeiros governamentais refletem o acesso restrito de uma parcela significativa da população às plataformas digitais e diversos outros problemas das políticas para chegarem às populações mais vulneráveis. Essa situação soma-se à grande parcela das famílias que perdeu renda nesse período de pandemia e acaba colocando em destaque a fome como um dos principais problemas sociais nos territórios. Com isso, as redes de solidariedade locais tornaram-se essenciais e as ações de distribuição de cestas básicas ganham protagonismo, presentes na grande maioria dos territórios consultados e promovidas por organizações locais, por vezes em parceria com entidades externas.