Mobilidades

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para navegação Ir para pesquisar

Autor: Ricardo De Moura

Da insistência por mobilidades, entre becos e vielas

"Minha Cidade".

... Eu sou aquela amorosa de tuas ruas estreitas,

curtas, indecisas, entrando, saindo uma das outras.
...Eu sou aquela mulher que ficou velha, esquecida,
nos teus larguinhos e nos teus becos tristes,
contando estórias, fazendo adivinhação.
Cantando teu passado.
Cantando teu futuro.

...Eu sou estas casas encostadas
cochichando umas com as outras...

Cora Coralina
Poema dos becos de Goiás e histórias mais.

Mobilidades

O tema mobilidade suscita muitas discussões, o modo hegemônico de como se formula políticas públicas com esse intuito, toma conta desses debates. Para pensar em mobilidade em relação a outros espaços da cidade, as favelas e periferias, por exemplo, é preciso pensar no plural, mobilidades e os becos e vielas, são e fazem parte de uma estratégia de deslocamento que foge o olhar apressado e meramente tecnicista. “Casas encostadas cochichando uma com as outras, o vai-e-vem de pessoas, atalhos, memórias, memória topográfica, espacial de relações múltiplas, aguça a sensibilidade como numa cidade inventiva e que aciona outras formas de dizer, pensar, refletir, instituir cidade. Talvez aqui esta ideia apareça como terceira via, não eliminado as outras, mas imbricada com todas elas. É considerar os becos e vielas como metonímia da ideia de cidade. A estética do beco aciona dispositivos importantes para pensarmos e fazermos, das margens/marginalidades, outros tipos de cidade, assim podemos acionar outras mobilidades possíveis.

Certamente não está descartada a ideia de mobilidade clássica que tem sido por diversos setores da sociedade, inclui-se aqui pesquisas nas áreas de planejamento urbano, discutida exaustivamente seja pela via de transporte público seja pelo ordenamento sócio-espacial da cidade. Aliás, minha intenção é produzir tensionamentos ao mesmo passo uma narrativa que nos coloque frente a outras possibilidades de mobilidade, por isso, insisto em mobilidades.

É necessárioir além da constatação que as coisas não funcionam, como no caso mais emblemático de um política pública arbitrária e ineficaz desenhada para o Conjunto de Favelas do Alemão que não funciona há mais de três anos, o teleférico. É muito cansativo ouvir repetidas vezes pesquisadores e suas pesquisas salvíficas e cartesianas, técnicos, “especialistas” e outras muitas opiniões sobre esse modelo de transporte público e todo um discurso repleto de clichês, enfadonho, que não tem nenhuma relação com a realidade local e que não produz nada novo – a não participação dos moradores na eleição por este tipo de meio de transporte e na implementação do projeto é um exemplo, dos inúmeros clichês. Todos nós sabemos que a prioridade para a região sempre foi e continua sendo saneamento básico.

Todos nós, moradores e observadores, já sabíamos e sabemos que, as políticas públicas são verticalizadas, sobretudo quando se trata de favelas e periferias, ou é alguma novidade? Que há muitos engendramentos nessa engrenagem, muitos conchavos, muito cassino, muitos politiqueiros de ocasião e pouca Política[1]. Todos nós sabíamos e sabemos que esse modelo de transporte público não funcionaria e não atenderia a população local – é bom frisar população local, pois ao que parece os turistas à época, se divertiam, numa espécie de “passeio exótico”, no alto das gondolas xeretando a vida dos moradores quando estes estavam cima das lajes –, por questões evidentes: o Complexo do Alemão é formado por cinco grandes topos e os deslocamentos se fazem nas vias terrestres, uma questão básica de compreensão topológica do lugar. Isso é apenas um exemplo, aliás, técnico inclusive, mas que camufla o político.

A ideia aqui, nesta conversa, é ir no sentido contrário, isto é, pensar a mobilidade de dentro para fora, ou seja, a partir das periferias e favelas, dos moradores. A reflexão sobre mobilidades precisa enxergar as vontades, necessidades, olhares das bases e o desejo inclusive indo além dos diagnósticos realizados pelos “especialistas’ que dá mais visibilidade as barreiras físicas e simbólicas – embora importantes não se resume a elas – do que às relações sócio-espaciais que os moradores mantem desde sempre com, os becos, por exemplo. Os becos são movidos de significações, por isso tem nomes. O que passa pela cabeça dos “especialistas” (engenheiros, arquitetos, pesquisadores etc.), quando se deparam com um beco chamado de “Beco da Foda”?  

Essa reflexão sobre mobilidades, tem como prerrogativa estender a concepção de mobilidade para além dos modais e dar subsídios a propostas que dialoguem diretamente com retratos das favela e das periferias, deslocando, ou ampliando e amplificando, a ideia de mobilidade, especialmente a que ronda os planejamentos urbanos e que vão ordenar a cidade. Nesse sentido, as propostas precisam ter a "cara" da periferia/favela. Uma construção plural, horizontal e que nos coloque diante do desafio, mais uma vez, de que não basta apenas reconhecer o saber dessas localidades, todavia de incorporá-lo ao debate. Sem dúvida que essa perspectiva pode ser um caminho, sobretudo se compreendermos a ideia de mobilidade no plural, a fim de tensionar o discurso canônico e produzir algo novo.

Diálogos internos sobre mobilidades

Uma das minhas experiências tem sido fazer parte do Instituto Raízes em Movimento (desde 2012). Algum tempo nós temos discutido, dentre muitos temas, mobilidade urbana - gostamos mais de pensar em mobilidades urbanas - com alguns parceiros. Uma construção em gestação que reúne pessoas de diversas regiões do Rio de janeiro ligadas a causa e instituições importantes, como universidades públicas. Nosso intuito tem sido de avançarmos numa proposta de pesquisa sobre mobilidades urbanas que esteja ancorada a partir de perspectivas da periferia/favela para o restante da cidade (e não o inverso).

Nesse sentido, um projeto, ora em desenvolvimento, tem nos ocupado quanto a essa temática:o Project Proposal Mobility infrastructure: multidimensionality and capabilities in Rio de Janeiro[2]. Até aqui já houve vários encontros e hoje a proposta está em vias de acontecer.Numa dessas discussões para formulação do projeto a questão da mobilidade ganhou contornos muito técnico em detrimento da questão política. Para nós a questão política é fundamental. Compreendemos que, nesse projeto, a mobilidade deva ser a porta de entrada para tratar de questões como direito à cidade, relação das favelas e o restante da cidade, moradias, segurança pública, identidades, culturas, memórias e muitas outras questões que transitam nos deslocamentos diários. 


Itamar, companheiro de jornada e um dos integrantes do grupo que formula o projeto, frequentemente reforça a questão da mobilidade interna às favelas. “Reconhecer que estes territórios têm dinâmicas próprias de mobilidade e relação reforçam o reconhecimento de que a favela apresenta um outro paradigma de cidade que precisa ser respeitado” (Relato. Reunião sobre mobilidade. 09/12/2017. Acervo Raízes em Movimento.


Em um encontro anterior, em fevereiro de 2017, no Raízes em Movimento, Ricardo, Alan, Moema, Pablo, Mariana e Bruno conversaram sobre a questão de mobilidade no Complexo do Alemão e no restante da cidade. A ideia era pensar em modos de mobilidade para o contexto de favelas e periferias. A questão “o que queremos fazer?” deu início a conversa. Como forma de registro Bruno fez um relato do encontro seguido de comentários de todos. Abaixo transcrevo, parcialmente, a conversa com ajustes que julguei necessário, já que o relato foi apenas para registrar o encontro, sem pretensões acadêmicas ou qualquer natureza.


Logo de início Moema sugeriu que realizássemos um mapeamento dos “circuitos de deslocamento”, tentando identificar em que medida as ações do programa de urbanização de favelas interferiram nas possibilidades de circulação da população local interna e externamente ao seus território de vivência – no caso o Complexo do Alemão. Como foi e agora acontece o deslocamento das pessoas? Para esse questionamento Moema pontua a necessidade de se considerar as múltiplas dimensões da vida das pessoas, por exemplo, por meio de recortes por gênero, idade, localização territorial e demandas (tanto materiais quanto simbólicas). 


Pablo propôs que o mote do projeto fosse a capacitação de agentes locais para monitoramento da qualidade da mobilidade e chamou a atenção para a necessidade de se considerar também as questões técnicas da mobilidade como, por exemplo, os números e a qualidade dos pontos de ônibus, a variedade de modais ofertados àquela população e os caminhos reconstruídos pelo PAC.  “Este trabalho de capacitação poderia ter como produto a elaboração de um aplicativo que “empoderasse” a população local na análise da mobilidade, intra favela e para fora, do pontos de vista quantitativo e qualitativo”, considerou ele. 


Bruno colocou a importância de definirmos os instrumentos necessários para coleta dados quantitativos e qualitativos. O primeiro, pensando na construção de um banco de dados por meio de aplicação de questionários estruturados com sistemas de envio automático (tablets) e o segundo sob a perspectiva etnográfica utilizando-se de entrevistas mais aprofundadas.
Nesse sentido, Alan sugeriu a utilização da ferramenta chamada “Motiro” desenvolvida pela equipe que trabalha com o Fransérgio. Esta ferramenta proporcionaria a identificação no mapa de uma série de informações sobre os moradores, dentre elas dados que demonstrariam uma certa “cartografia dos deslocamentos”. 


Dentro da perspectiva do “Motiro” e de outras ferramentas de pesquisa, Alan e Ricardo sugeriram a instrumentalização e participação dos jovens que já compõem o projeto desenvolvido pelo Raízes em Movimento intitulado “Raízes Locais”. “A ideia é formar e preparar tecnicamente esses jovens para o trabalho de campo, tendo em vista a importância de se aproveitar seus conhecimentos sobre o território, proporcionando-os também outras possibilidades de trocas de informação e conhecimento”. 


Mariana reiterou a importância de não desconsiderarmos a questão que transcende as avaliações técnicas sobre as mobilidades, as subjetividades que possibilitam, dificultam e/ou impedem a circulação das pessoas situadas (objetiva e subjetivamente) em determinados espaços da cidade. Neste sentido, estaríamos pensando tanto em “mobilidade” quanto, como sugeriu o Alan, em “imobilidade”, articulando fatores práticos com elementos simbólicos, que impedem ou dificultam a circulação pela cidade e dentro do próprio Alemão. 


Ricardo tencionou o debate quando sugeriu que pensássemos para além de questões técnicas, embora elas sejam importantes, a ideia de mobilidade não se restringe a elas. “É preciso, também, pensar em mobilidade como estética do beco, eu diria em mobilidades. Pensar em mobilidades em relação as favelas, é pensar na vida pujante dos becos e vielas, em memória, memória topográfica, espacial de relações múltiplas, numa cidade inventiva e que aciona outras formas de dizer, pensar, refletir, instituir cidade. Talvez aqui esta ideia apareça como terceira via, não eliminado as outras, mas imbricada com tudo isso. É considerar os becos e vielas como metonímia da ideia de cidade. A estética do beco aciona dispositivos importantes para pensarmos e fazermos, das margens/marginalidades, outros tipos de cidade”. E conclui: “acho que o poema “Minha Cidade” de Cora Coralina, por exemplo, é um caminho interessante para pensarmos em mobilidades”.

Dos nomes, sons, ruídos e sussuros

Do beco da foda vem o grito, os sussurros e os malditos

Uns queriam mudar seu nome para beco do amor

Outros insistiam que era beco da foda “mermo”

As trepadas eram encobertas pelos ruídos

As paredes grudadas por cimentos exalavam seu perfume

Os transeuntes não sabiam a que horas passar

Fosse para se esconder ou para se alegrar

Aí amor, assim não! Aqui é lugar de passagem

De ligadura, ligação e conexão com o resto do

Complexo do Alemão.

Vejam bem que coisas tem esses becos

Do beco do bicheiro o sorriso do lagarto

Do beco do fliper a angústia por espera de uma partida

Do beco da merda o salto calculado

Que nomes esses becos têm?

Quer mais becos?

Beco da jurema, do tesão e da ladainha

Do morcego, da marionete e do porrete

Ah! Também têm aqueles da travessa Laurinda

Seja como for cada um tem seu cheiro, extensão e valor

De uns ouve-se gritos, de outros sussurros, outros mais apenas cochichos

Noutros pegadas, em outros uma sinfonia musical

Há aqueles em que residem o silêncio

Mas nunca a solidão

Palavras finais

Vamos pensar mobilidades para de um tipo de mobilidade estanque e que, em certa medida, reproduz os anseios do desenvolvimento e progresso em detrimento do que se pensa nos espaços de periferias/favelas?

Se conseguirmos refletir sobre mobilidades, a partir das favelas e periferias, ou seja, pensar em outros desenhos de mobilidade gerados a partir do morador e de suas práticas cotidianas, o que supõe pensar para além de modais canônicos, talvez possamos fazer girar outros formas de perceber, viver e se deslocar pelos espaços da cidade e as favelas e periferias são, pelo seu modo de organização, fundamentais nestas arenas de disputas. Quero dizer, vamos pensar em ruas, becos e vielas como elemento fundamental e local de possibilidade de conexões, para além da constatação da falência dos serviços e da má qualidade da prestação de serviços de mobilidade.

Não se trata de criar um cabedal de metodologias que julgamos capazes de intervir no espaço urbano, com isso não estou dizendo que determinadas metodologias não são importantes, mas a ideia de modo, para mim é mais instigante, pois flerta com o conceito de acontecimento. Por isso, um modo seria capaz de ir além da simples constatação de que “as coisas não funcionam”. No caso da questão de mobilidade, seria a constatação da distribuição desigual de serviços, mas apenas como retrato da situação. Seguindo a ideia de modo, talvez pensássemos em mobilidades a partir do morador e de questões que este cotidiano sugere ou demanda.

Então, como pensar em modos de atuação que superem o tradicional circuito denuncia- audiência pública – nenhum retorno efetivo – e que fortaleçam o poder popular e a capacidade de da população. E mais: pensar em mobilidades, a partir da periferia, para além de um tipo de mobilidade estanque e que, em certa medida, reproduz os anseios do desenvolvimento e progresso em detrimento do que se pensa nos espaços de periferias/favelas?

Neste sentido é necessário não ficar “preso “a questão do “Estado de Coisos”, se é que me entendem, e propor novas alternativas de ação – mobilização. Mesmo sabendo que precisamos enfrentar esta questão política tão drástica, mas enfrentar com inventividade, lucidez e coragem, caso contrário esbarraremos em meras denúncias.    

Talvez essas reflexões possam nos colocar diante de outras possibilidades.

 

Referências bibliográficas

ANOTAÇÔES sobre Project proposal developed by The Bartlett Development Planning Unit in coordination with the Brazilian NGOs Ibase and Raizes in Movement, Urbanism Programm (PROURB-FAU-UFRJ).Versão em português COUTINHO, Bruno. Comentários MATIOLLI, Thiago.01/02/2017.Acervo Instituto Raízes em Movimento.

CORALINA, Cora. Minha cidade.Poema dos becos de Goiás e histórias mais. 19.ed. São Paulo: Global, 1997. p. 104

MOURA, Ricardo José de; É Complexo. O velho ranço das políticas públicas: balcão de negócios, cultura do medo e violência. Rio de Janeiro: URBFAVELA, 2016.

_______. : Obragens de Cramulhão.E fragmentos e experiências e contação de estórias e dizeres cidades e vida e política. IPPUR/UFRJ, 2016.

_______.Dos nomes, sons, ruídos e sussurros.Texto Inédito, 2020.

RELATO. Reunião sobre mobilidade. 09/12/2017. Acervo Instituto Raízes em Movimento.

_______. Reunião sobre mobilidade. 25/01/2018. Acervo Instituto Raízes em Movimento.

 

[1] Conferir MOURA, Ricardo José de; É Complexo. O velho ranço das políticas públicas: balcão de negócios, cultura do medo e violência.Rio de Janeiro: URBFAVELA, 2016.

[2]Conferir anotações sobre Project proposal developed by The Bartlett Development Planning Unit in coordination with the Brazilian NGOs Ibase and Raizes in Movement, Urbanism Programm (PROURB-FAU-UFRJ).Versão em português COUTINHO, Bruno. Comentários MATIOLLI, Thiago.01/02/2017.Acervo Instituto Raízes em Movimento.

 

 

 

  1. Conferir MOURA, Ricardo José de; É Complexo. O velho ranço das políticas públicas: balcão de negócios, cultura do medo e violência. Rio de Janeiro: URBFAVELA, 2016
  2. Conferir anotações sobre Project proposal developed by The Bartlett Development Planning Unit in coordination with the Brazilian NGOs Ibase and Raizes in Movement, Urbanism Programm (PROURB-FAU-UFRJ). Versão em português COUTINHO, Bruno. Comentários MATIOLLI, Thiago. 01/02/2017. Acervo Instituto Raízes em Movimento.