Olhares da periferia: uma volta pela Feira da Pavuna

Por equipe do Dicionário de Favelas Marielle Franco
Autoria: Day Medeiros e Ramon Vellasco. 
Jovens que participaram do ciclo: Ana Luísa Nascimento Ferreira,
17 anos; Yasmin Menezes de Oliveira Santos, 14 anos; Andressa de Assis
Gandra de Souza, 22 anos; Hamilton Souza do Nascimento, 21 anos;
Rayanne.
Feira da Pavuna por Andressa Gandra.

Esse artigo faz parte da "Radar COVID-19, Favelas", informativo produzido no âmbito da Sala de Situação Covid-19 nas Favelas do Rio de Janeiro, vinculada ao Observatório COVID-19 da Fiocruz.

Estruturado com base no monitoramento ativo (vigilância de rumores) de fontes não oficiais – mídias, redes sociais e contato direto com moradores, coletivos, movimentos sociais, instituições e articuladores locais – a publicação busca sistematizar, analisar e disseminar informações sobre a situação de saúde nos territórios selecionados, visando promover a visibilidade das diversas situações de vulnerabilidade e antecipar as iniciativas de enfrentamento da pandemia.

Artigo[editar | editar código-fonte]

O Instituto C.A.S.A. (@intituto_casa) através da parceria com a Agência de Notícia das Favelas (ANF) e a Secretaria Especial da Juventude Carioca, realizou o Ciclo de Oficinas Fotojornalismo - Olhares da periferia. Durante a formação, 6 jovens aprenderam sobre comunicação periférica, a importância de nós falarmos sobre nós mesmos, de periféricos e favelados comunicarem sobre seus territórios expondo as culturas, demandas e ausências tão evidenciadas durante a pandemia. O professor Ramon Vellasco, apresentou a história da fotografia, os recursos e equipamentos adotados no processo de captação, manipulação e edição das imagens, utilizando até mesmo o celular como dispositivo para criação de material informativo. Valorizando principalmente o olhar periférico. Como resultado final do ciclo foi desenvolvido uma produção de fotojornalismo autoral dos jovens com os trabalhadores informais e feirantes da Pavuna, abordando como a pandemia afetou a sobrevivência deles.

Comunicação periférica e fotojornalismo[editar | editar código-fonte]

Autoria: Ramon Vellasco.

A oficina de fotojornalismo foi uma proposta inicial para desenvolver o olhar de jovens que estão cada dia mais inseridos na vida digital. A comunicação não pode ser colocada em um lugar inocente de selfies ou de curtidas. Nossa vida passa pela comunicação e pela cultura e tudo o que há de informação e conteúdo, existe um interesse e contexto de consumo. A ideia é fazer o jovem periférico se perceber nesse lugar de comunicador e apropriar os discursos e as ferramentas para que possam produzir suas próprias narrativas e histórias de vida. Discutir que toda foto produzida por eles, pode ser uma fonte de informação e uma possível história.

A fotografia é uma das ferramentas do fotojornalismo para os jovens se apropriarem e construírem suas narrativas, falando de seus próprios territórios e interesses pessoais. A partir da minha vivência e experiência do que vejo nas ruas como fotógrafo, comecei a observar e questionar a importância de termos mais pessoas engajadas em contar suas próprias histórias e de criarem seus espaços de fala, fazendo com que a comunicação seja de fato inclusiva e representativa. Com a crise da Covid-19 no Brasil, é muito importante termos a potência da fotografia. Estar na linha de frente da comunicação, desde o início de 2020, nas ruas, fotografando e acompanhando situações de fragilidade, de pessoas em situação de muita vulnerabilidade, pessoas em situação de rua, moradores de ocupação perdendo seu direito à moradia, por serem despejadas em plena pandemia, favelados sem ter o que comer e tendo que se expor em situações de risco, com trabalhos que não davam nenhum mínimo de dignidade, de segurança e de direitos trabalhistas é fundamental para que essa situação seja vista e reconhecida pela sociedade. A fotografia é uma ferramenta potente com representações simbólicas. É um grito de voz que representa realidades e conta a história de milhares de pessoas.

"Foi uma saída pra me sustentar"[editar | editar código-fonte]

Entrevista: Yasmin Menezes de Oliveira Santos
Transcrição: Yasmin Menezes de Oliveira Santos
Texto: Day Medeiros

Tayná Ventura Gomes, 25 anos, mora em Costa Barros. na Zona Norte do Rio de Janeiro. Ela contou que o objetivo dela de trabalhar informalmente com venda de acessórios, como calcinhas e bolsas, é abrir a própria loja um dia, para não ficar trabalhando para os outros. A jovem que mora com o marido e três filhos - Igor Ezequiel, de 9 anos, Nicolas, de 5 anos, e Micael, de 6 anos -, contou que sua rotina começa às 7:30 e termina às 20:30. “Eu fecho e vou pra casa e vou dormir, não tenho outra coisa pra fazer.” Antes de trabalhar vendendo na passarela da Pavuna, ela contou que já trabalhou com outras coisas, como manicure, atendente, mas que decidiu trabalhar informalmente porque não teve outra opção. “A pandemia acabou com todo mundo, me atrapalhou, fiquei dois anos desempregada, essa foi uma saída pra me sustentar.”

Quando perguntada sobre com quem ficam os filhos, Tayná contou que eles ficam com a comadre, e que não conseguiram estudar durante a pandemia, mas que acompanharam as aulas minimamente pelo celular. E que às vezes ela leva o caçula para a feira com ela. A vendedora que acabou de começar no ponto onde fizemos a entrevista, disse que a pandemia atrasou muito seu plano de vida, com casa e aluguel. Ela chegou a precisar da ajuda da mãe Daniele, de 38 anos, que trabalha em casa de família.

Para ela a pandemia está melhorando, as vendas estão fluindo e está sendo bem recebida. Desde os 15 anos ela já trabalhava na região da Pavuna e quando engravidou, por conta própria, quis sair de casa. Ela perdeu o filho ao tomar um tiro de raspão, ainda assim seguiu a vida vendendo qualquer coisa, aceitando qualquer tipo de trabalho. Mesmo que a renda fosse pouca, já trabalhou com barraca de doce, já vendeu água no sinal, tudo para sobreviver.

"É daqui que eu tiro meu sustento"[editar | editar código-fonte]

Entrevista: Jonnathan Lima Brandão
Transcrição: Ana Luísa Nascimento Ferreira
Texto: Day Medeiros

Solange Freitas Alves, gosta de ser chamada de Sol, 61 anos, moradora de São João de Meriti, contou que tudo o que ela vende em sua barraca, compra o material na loja e fabrica todas as peças. “Eu faço crochê, pinto, faço pano. Eu que faço tudo na mão. Tenho uns 15 anos nessa profissão”. Sol, conta que começou sozinha e aprendeu sozinha. “Não tinha quem me ensinasse na época. “Eu sou canhota e as pessoas tinham preconceito.” Incentivada por uma vizinha que pediu pra ela fazer uma toalha de mesa, logo depois foi convidada para participar de uma festa da igreja, onde arrumaram uma vaga em São João de Meriti e ficou há 11 anos lá. “Eu fazia só pra mim, aí me incentivaram a fazer pra revender.”

Em 2014, começou a trabalhar na Feira da Pavuna. Antes disso trabalhou de carteira assinada em comércio, padaria, loja de noiva e de tudo um pouco. “Já até trabalhei na rua vendendo porta copos.” A feira que é para a sobrevivência dela e de sua família, durante a pandemia, se sentiu muito prejudicada pois não vendia muito. “Cheguei ao ponto de não ter nada em casa pra comer.” Atualmente ela mora apenas com o filho de 29 anos, que agora está fazendo bico, consertando ar condicionado e computador. No começo da pandemia, com as atividades presenciais suspensas, a artesã conta que teve ajuda da filha de 42 anos que mora em Belford Roxo. “Nós somos muito unidos graças a Deus”.

"Valorizem nós!"[editar | editar código-fonte]

Entrevista: Ramon Vellasco
Transcrição: Jonnathan Lima Brandão
Texto: Day Medeiros

Durante a oficina prática dos jovens, encontramos com Maria Cecília, 24 anos, que pediu para ser entrevistada. A vendedora ambulante que trabalha há 7 anos no ramo, contou que dentro desses anos, teve duas filhas e continua morando de aluguel. “Tem sido dificultoso, tipo assim, eu vivo um dia após o outro, eu venho pra pista faço os corre mas o dinheiro volta todo pra pagar o aluguel, comida e mobília de segunda mão, porque tá difícil até pra sobreviver.” A camelô mora em Campo grande, mas roda pelo Rio de Janeiro todo vendendo suas mercadorias. “Eu venho batendo ônibus, venho batendo trem, aí tem dias que eu tô em Madureira, Pavuna, Méier, Centro, São Cristóvão, eu rodo o Rio todo, o bom disso tudo é que vou mudando de lugar e vou conhecendo a cidade e explorando mesmo.” No começo da pandemia, com o auxílio emergencial, Maria sustentou a casa e conseguiu comprar um terreno em valor parcelado, e que está precisando arrumar a documentação do terreno. Depois das 6 parcelas do auxílio, ela passou a ter apenas o bolsa família.

Sua ligação com a Pavuna começou há sete meses “eu nunca tinha vindo pro lado de Pavuna, tem sete meses que eu tô como camelô da Pavuna, porque eu tô com um processo ali no Fórum, aí tô vindo pra cá direto.” Quando perguntada se podia falar sobre o processo, ela contou que o pai solicitou a guarda da filha, alegando que ela não tem condições de cuidá-la. “Mas a minha filha é muito bem criada, muito bem cuidada, eu criei ela dentro da medida do possível, se chegar lá em casa não faltam as coisas pra ela”. Para acompanhar o andamento do processo, Maria vai toda a semana para a Pavuna. E nesse percurso já começa o seu trabalho, vendendo sua mercadoria. O genitor usa o fato do trabalho sem carteira assinada contra a mãe, “hoje mesmo eu vi que agora ele está exigindo que eu tenha um emprego formal, falei: ‘cara estamos numa pandemia, não existe emprego formal para todo mundo, existe quem te indica, quem vai pegar o seu currículo, quem vai abrir uma oportunidade de emprego para você, agora se você não tiver alguém que te indique você não trabalha”. A mãe, que não vê a filha desde o Natal, contou emocionada que ao deixar a filha passar o feriado com a avó paterna, o pai alegou na justiça abandono e desde então foi proibida de vê-la.

Também questionamos sobre o lucro com as vendas e a mesma alegou que consegue pagar as contas com um lucro de 40 reais por dia. “Nós temos que fazer uma correria pra conseguir vender, ou às vezes o passageiro que está passando tu oferece mercadoria e ele paga passagem pra você, se for cartão melhor ainda que ele paga a passagem então aí eu não gasto assim muito da passagem, né?” Maria aproveita quando vai na Pavuna pois tem diferença de três reais na mesma mercadoria em Campo Grande. A moradora da Estrada da Posse, conta que trabalha mais de 12 horas por dia. “Eu saio bem cedo, porque quero pegar o fluxo de quem está saindo pra ir trabalhar.” E surpreendentemente ela desabafa “detalhe: eu sou formada professora”. Imediatamente questionada o motivo de não exercer a profissão, ela conta que fez o concurso da prefeitura e que não está conseguindo trabalho como professora, passou no concurso da prefeitura do Rio e está no banco de espera desde antes da pandemia.

“Porque eu escolhi ser professora? Justamente por mim, porque eu sou uma mulher negra, eu me incluo nas crianças que tiveram uma situação de vida precária, com problemas sociais, problemas familiares. Todo apoio que tive, por pouco que foi, foi dentro da escola, foi com os professores, então assim, ali dentro da escola foi um lugar onde eu tentei ser uma pessoa melhor. Coisa que minha mãe não deu, e não digo nem pai, porque minha mãe era mãe solteira e não pôde me dar muito. A escola foi minha base de educação, então assim, eu escolhi ser professora justamente pra isso, porque às vezes as criança não têm em casa aquela base de educação e tem na escola. Um professor é importante na vida de um ser humano cara, por isso que eu escolhi ser professora e quero ser mais, quero ser psicopedagoga, não quero ficar só dentro da sala de aula.”

A trabalhadora que pretende se especializar em Ensino à Distância (EAD), conta que além de tudo enfrenta o preconceito e o racismo ao abordar clientes na rua. “A pessoa não sabe que quem está aqui vendendo balinha é uma professora que também está precisando de trabalho, já teve caso de eu oferecer a balinha e a pessoa ter a cara de pau de falar vai trabalhar, vai caçar um emprego e eu falo ‘eu tô apta, eu tô aqui. Não é que eu to vendendo bala que eu deixo de ser gente’. Esse é o lado ruim do vendedor ambulante. Valorizem nós, valorizem os ambulantes, porque não é que a gente tá fazendo uma abordagem que a gente quer assaltar.”

Ver também[editar | editar código-fonte]