Assassinato de Marielle Franco - 14 de Março

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para: navegação, pesquisa

Autor: Hércules da Silva Xavier Ferreira

"No coração de quem faz a guerra
Nascerá uma flor amarela"

Girassol - Cidade Negra

Há uma intenção de gesto que logrou êxito no cerne de uma cidade. Qual semente que caindo de seu fruto encontrou boa terra para germinar, de igual maneira o discurso e as ações da vereadora Marielle Franco, de querida e forte memória, enraizaram-se nos mais diversos corações após o terrível acontecimento que tinha por objetivo colocá-la em um não-lugar. A dor decorrente fez-se sentir de imediato, sem que houvesse extremos de um grito ou do calar próprio de um choque. E mesmo nesse lugar da dor, as pessoas que a apoiavam, ou que identificavam-se de alguma maneira com sua lida política, sentiram-se convocadas e responderam ao chamado. Seus corpos, na firme recusa de aceitar a tragédia social, decidiram o comum de um estandarte e nele costuraram palavras - vivas -, pela necessidade de que precisavam delas escritas1, servindo de inspiração e fomentando a boa luta: Marielle presente! Marielle vive!

O ato de lembrar varia em grau e intensidade de acordo com a aproximação que se tem pelo ausente, pela ausência. Dado o caráter abrupto, os familiares e amigos próximos na figura direta de sua mãe e pai, irmã e filha, esposa e amigos, foram - e seguem sendo - os que mais sentiram e sentem no peito essa falta. Nesse sentido não há palavra que baste, palavra que supra e encerre a ferida exposta pela perda de uma filha, irmã, mãe e companheira. O contexto político e violento com que ocorreu só amplia o sofrimento, não permitindo outra situação que não aquela de estar atento e forte2. E essa força veio e, observa-se, cresce e continuará vindo.

Se palavras não remediam o suficiente, outros gestos de memória e afeto passam para o fato do acontecimento: são imagens, intervenções, performances e demais objetos que insistem na manutenção das ações pelas quais a vereadora acreditava. Os sensibilizados externam seu 'NÃO' por suas criações artísticas, imputando a elas a necessária carga da certeza, qual seja, do 'não esqueceremos', pela afirmativa de sempre lembrar. Há aí como que um apelo por algo mais, apelo por Justiça, que transcenda ou não.

Cada qual sabe de si a dor que carrega e como a compreende. É que além dos atos populares e seus elementos que atualmente tanto agregam e ajudam a espalhar as sementes de boa flor, o impacto social criminoso foi tão grande que movimentou as correias das instâncias políticas, principalmente na figura do poder executivo, que deliberou por bem sancionar a lei nº 8054/203, unindo assim a importante luta, "contra o genocídio da mulher negra", com a respectiva recordação nesta data, de Marielle Franco, que fica marcada não apenas como o violento e triste dia devido a importante perda. Esse dia, perpetrado por vil ato que extendeu a duração daquela fatídica noite de 14 de março, reúne, agrega, simboliza e arregimenta sob si, tudo que poderia estar espalhado, fortalencendo o dito "diversas, mas não dispersas" e pondo no calendário oficial do estado o devido rito de comemorar, que não precisa atrelar-se ao comum entendimento de 'festejos'. Se longa, não se prolonga, pois a alegria vem pela manhã do novo, feito a necessária coragem e inspiração no combate das impunidades e demais covardias.

"As passagens, as coragens / São sementes espalhadas nesse chão"4, de Marielles e de tantas outras mulheres que vieram antes, pavimentando a estrada para que seu trânsito seja mais justo, democrático e inclusivo, na participação em prol do bem comum.

Este texto seguirá em constante revisão.

Ver também:

  1. Casa Marielle
  2. Instituto Marielle Franco
  3. Marielle_Franco
  4. Mapeamento_das_homenagens_a_Marielle_Franco
  5. Músicas para Marielle Franco

Referências:

[1] Conforme o estandarte de Arthur Bispo do Rosário
[2] Música "divino maravilhosa", de Gal Costa
[3] Lei 8054/18 - RJ. Disponível em: https://gov-rj.jusbrasil.com.br/legislacao/607160905/lei-8054-18-rio-de-janeiro-rj
[4] Música "pequena memória para um tempo sem memória", de Gonzaguinha