Favela Cruzada São Sebastião

De Dicionario de Favelas Marielle Franco
Ir para navegação Ir para pesquisar

Inserido pela Equipe do Dicionário de Favelas Marielle Franco

Sobre

A Cruzada São Sebastião é um conjunto habitacional de influência modernista localizado à margem oeste do Jardim de Alá, no bairro do Leblon, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Do conjunto, fazem parte a igreja dos Santos Anjos e a escola municipal Santos Anjos, que foram tombados pela Secretaria Extraordinária do Patrimônio Cultural em 2008.

Cruzada.jpg

História

Foi inaugurada em 29 de outubro de 1955, por iniciativa de dom Hélder Câmara, então secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que convenceu o então presidente da república, Café Filho, a firmar um convênio para construir o conjunto habitacional. O objetivo era fazer, dali, uma espécie de plano piloto, um pontapé inicial para a meta de dom Hélder de acabar em dez anos com as 150 favelas existentes na cidade naquela época.[3] A chave para o primeiro morador foi entregue em 3 de janeiro de 1957.

Cruzada 02.jpg

Os primeiros moradores eram oriundos da vizinha favela Praia do Pinto, que viria a sofrer um incêndio em 11 de maio de 1969 e seria substituída pelo condomínio Selva de Pedra, em frente ao Paissandu Atlético Clube e à associação Atlética Banco do Brasil. O conjunto de dez prédios e 945 apartamentos foi financiado num prazo de quinze anos, em pagamentos mensais de quantias que correspondiam, nos maiores apartamentos (de dois quartos), ao correspondente a quinze por cento do salário mínimo.

Cruzada 01.jpg

Cruzada São Sebastião: documentário

Cruzada São Sebastião: da remoção da favela na Lagoa à especulação imobiliária

De: Acervo O Globo

Por Clarissa Stycer*

Cruzada 01.jpg

“No futuro, não haverá ‘favelados’, não haverá a diferenciação ‘moradores do Leblon’ e ‘moradores da praia do Pinto’. Serão todos, apenas, moradores do Leblon”, afirmou Dom Hélder Câmara, no dia 9 de dezembro de 1955, do alto de uma armação de madeira improvisada no canteiro de obras onde se ergueria a Cruzada de São Sebastião. Por meio de um convênio firmado com o governo federal, então regido pelo presidente da República Café Filho, o bispo não media esforços para levantar o conjunto habitacional localizado entre a Rua Afrânio de Melo Franco e o Jardim de Alah, idealizado para abrigar os moradores da favela Praia do Pinto.

Fincada onde hoje é o condomínio Selva de Pedra, na fronteira dos bairros mais nobres da cidade, Leblon e Ipanema, a comunidade já havia sofrido com um incêndio misterioso em 1956 — esse desastre a atingiria mais duas vezes, em 1957 e em 1969, sendo totalmente destruída no último. A área era alvo de intensa especulação imobiliária, assim como outras favelas da Zona Sul, de onde os moradores eram despejados para ocuparem os subúrbios. Essa finalidade desagradava a Dom Hélder Câmara, que, para atingir a sua meta de tornar o Rio de Janeiro uma metrópole sem favelas até o IV Centenário da cidade, em 1º de março de 1965, defendia a integração e urbanização das comunidades.

— Por eles e por nós. Por eles, porque são em sua maioria domésticas, lavadeiras e operários do bairro. Homens e mulheres que ganham o pão de cada dia nas vizinhanças de suas casas. Como iríamos jogá-los em Vicente de Carvalho ou Parada de Lucas, numa cidade que não tem transportes coletivos adequados? — indagou Dom Hélder em discurso na Praça Antero de Quental, no Leblon, registrado pelo GLOBO em 31 de outubro de 1955, citando bairros da Zona Norte da cidade — Por que haveríamos de querer afastar de nosso convívio os trabalhadores? Por que criar nossos filhos longe deles? A sociedade de hoje precisa combater esse aburguesamento, evitando esse perigoso abismo com a classe operária.

Assim, na sua inauguração, em 3 de janeiro de 1957, chegaram as primeiras famílias das 910 que tinham lugar reservado no conjunto, articulado em dez blocos com sete andares cada um. Construídos com a ajuda dos moradores qualificados da Praia do Pinto, os edifícios tinham cozinha, banheiro, um quarto independente e um quarto e sala, equipados com luz elétrica, fogão a gás e sistema de água e esgoto. No total, 3 mil pessoas foram abrigadas.

— Nós não tínhamos nada e de repente ganhamos casa e escola para nossos filhos. Éramos tão abandonados que tivemos que aprender até a usar o sanitário. Meus filhos hoje têm curso superior — lembrou Maria Regina Cardoso dos Santos, uma das primeiras moradoras da Cruzada, em reportagem publicada no GLOBO em 13 de fevereiro de 2005, quando o conjunto completava cinco décadas do começo de sua construção.

A ideia é que, quando um barracão fosse abandonado na favela, ele fosse destruído. De acordo com o bispo, que mandou o engenheiro Luís Onofre Pinheiro Mendes construir também uma igreja, uma escola, um mercado e um centro social, o requisito para o deslocamento foi baseado em “famílias relacionadas” e preparadas psicologicamente para tal. Além disso, havia uma seleção rigorosa para garantir que “malandro não mora no Bairro de São Sebastião”, como expressou o sacerdote, apelidado de “bispo vermelho”. Perseguido na ditadura militar, o regime teria o impedido de continuar com a sua meta de replicar o modelo da Cruzada em outras áreas da cidade.

Com o tempo, a falta de manutenção dos prédios e o tráfico de drogas ilícitas contribuíram para a degradação do conjunto, que enfrentou a discriminação dos entornos elitizados, como mostrou a reportagem especial “906 famílias — uma pequena cidade — tentando melhorar de vida”, do jornal em 12 de agosto de 1979, que reuniu relatos de racismo e revelou que algumas escolas da região não aceitavam moradores da Cruzada. Com o aumento do número de furtos e assaltos nos entornos do bairro, os policiais da Delegacia de Vigilância-Sul pediram, em 1974, a remoção dos moradores.

— As condições de higiene dos apartamentos (principalmente blocos 4 e 5), é lamentável (sic). Moram, em espaço mínimo, 18 e 20 pessoas, muitas vezes. Em alguns apartamento há animais domésticos, como cabras e galinhas. Em outros, há plantações de tomates em vasos sanitários — justificou o delegado Armando dos Santos Pereira, redator do ofício que requeria a desapropriação da Cruzada.

Apesar dos esforços contrários, em 1982, os residentes conseguiram as escrituras de seus apartamentos. Nos anos seguintes, observou-se uma crescente valorização imobiliária do espaço. Outro perfil de morador, mais próximo da classe média do que os habitantes originais da Praia do Pinto, passou a ocupar os quartos com vista para a Praia do Leblon e Lagoa Rodrigo de Freitas. Na série Cidade em Transe, publicada no GLOBO em outubro de 2013, foi avaliado que o processo de gentrificação na área — quando o tipo de população de uma região passa por uma transformação, sendo ocupada por pessoas de maior poder aquisitivo em relação ao grupo anterior — ajudou a valorizar em 135% o preço dos imóveis em menos de dois anos.

Na história da Cruzada, um dos moradores mais notórios é Adílio, o craque do Flamengo, nascido e criado no bairro. Desde pequeno, jogava bola no Clube AABB, na Lagoa, e treinava no Flamengo, onde se consagrou como um dos melhores meio-campos da história do clube. Ao lado de Zico e Andrade, compunha o chamado Esquadrão Imortal, formação que lotava o Maracanã. Conquistou o Campeonato Mundial Interclubes, a Copa Libertadores da América e o Campeonato Carioca, todos em 1981, além dos Campeonato Brasileiros de 1980, 1982 e 1983. Chegou a ser convocado para a Copa da Espanha de 1982, mas acabou não sendo chamado para jogar, o que cancelou uma grande festa na Cruzada. A comunidade foi o primeiro lugar a receber o Gol de Placa, projeto que teve Adílio como um dos fundadores e que forma jovens jogadores de futebol em outras áreas da cidade.

Entre as personalidades retratadas nas páginas do GLOBO em tantos anos de Cruzada, destaca-se também Maria Flauzina Rodrigues, que tinha 112 anos quando foi entrevistada para reportagem de 16 de agosto de 1982. Antiga moradora da Praia do Pinto era a residente mais antiga do conjunto habitacional, e exibia um tesouro carregado de memória: um chapéu de filó azul-claro, que dizia ter ganho de presente da princesa Isabel.